Além do relatório de energia dos Estados Unidos, os agentes consideram a paridade do dólar e a situação econômica como um todo e especificamente na Europa, depois do rebaixamento da nota de crédito de Portugal e as incertezas envolvendo a Grécia e seus problemas da dívida.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237562736028&_c_=MiGComponente_C

Nesta sessão, o Departamento de Energia americano mostrou ter havido recomposição de 7,3 milhões de barris nos estoques de óleo cru na semana passada. O resultado ficou bem acima das expectativas de muitos analistas.

Já as reservas de gasolina e destilados caíram na semana passada, em mais de 2 milhões de barris cada. Para o nível do primeiro produto, a estimativa era de uma retração de 1,3 milhão de barris; para o segundo, a projeção era de recuo de 600 mil barris.

Há pouco em Londres, o Brent para maio estava a US$ 79,68, com queda de US$ 1,26. O contrato de junho recuava US$ 1,20, saindo a US$ 80,13.

Em Nova York, o WTI para maio tinha decréscimo de US$ 1,17, a US$ 80,74. O vencimento de junho se encontrava em US$ 81,15, baixa de US$ 1,10.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.