Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Refresco no final não impede pior ano desde 1972 na Bovespa

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou no azul a última sessão de um ano recheado de recordes negativos, no rastro da crise mundial que atropelou um ciclo de cinco anos seguidos de valorização.

Reuters |

Lastreados nos ganhos de Wall Street, fundos de ações foram às compras para tentar aliviar as perdas do ano, levando o Ibovespa a uma alta de 1,32 por cento nesta terça-feira, aos 37.550 pontos.

O principal índice da bolsa paulista fechou dezembro com alta de 2,6 por cento. Mas foi pouco para fazer frente aos efeitos do maior furacão financeiro das últimas décadas, que provocou queda de 41,2 por cento do Ibovespa no ano.

Mesmo com um rali nos últimos minutos, o giro financeiro foi de apenas 2,6 bilhões de reais, com bancos e corretoras operando em esquema de plantão.

Os ajustes finais das carteiras de ações à nova composição dos índices, que entra em vigor na sexta-feira, acabou contribuindo para impulsionar o índice.

"O dia foi de ajuste dos fundos", disse a operadora de uma grande corretora paulista, que pediu para não ser identificada.

Petrobras, que vai aumentar a liderança na carteira a partir de janeiro, subiu 1,42 por cento, para 22,84 reais. Bradesco, que também ampliará a fatia no portfólio, avançou 1,5 por cento, para 22,59 reais.

O destaque do dia foi JBS Friboi, com avanço de 9,3 por cento, a 4,93 reais. A companhia foi uma das beneficiadas pelo anúncio de que o governo mexicano aprovou 20 frigoríficos dos Estados Unidos para retomar vendas de carne ao país.

MAIS AJUDA NOS EUA

Com isso, o mercado deu pouca importância aos poucos indicadores macroeconômicos do dia --que, para variar, não foram nada bons.

O desfile de notícias com estragos da crise continuou firme: a confiança do consumidor nos EUA teve recorde de baixa em dezembro, as vendas de final de ano foram as piores desde 1970 e a atividade empresarial no Meio-Oeste do país continuou se retraindo em dezembro, embora num ritmo menos drástico que o esperado.

Mas, tentando encontrar alento ao olhar para a frente, os investidores no mundo inteiro preferiram acompanhar o anúncio de uma extensão do pacote do governo norte-americano para salvar as montadoras do país, sendo 1 bilhão de dólares para a General Motors e outros 5 bilhões de dólares para comprar ações da GMAC, braço de financiamento da GM.

No momento em que a Bovespa encerrava os negócios, os principais índices de Wall Street subiam mais de 1 por cento.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG