Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Rede de malhação infantil se expande no Brasil

Imagine um mundo em que as crianças são treinadas em academias. Ele existe e não é o da Esparta de milênios atrás.

AE |

Imagine um mundo em que as crianças são treinadas em academias. Ele existe e não é o da Esparta de milênios atrás. Para a rede americana de academias de ginástica voltadas para crianças My Gym, os pequeninos podem se divertir malhando. O conceito da empresa - que tem uma unidade em Moema, na capital paulista - é desenvolver crianças de 6 semanas a 13 anos com brincadeiras e outras atividades de lazer, supervisionadas pelos pais e instrutores. Apesar do nome, a My Gym não utiliza equipamentos de musculação comuns. Leandro Japequino, proprietário da loja pioneira de Moema, desembolsou R$ 2 milhões para ter o direito de licenciar a marca no País. Um ano após a abertura da primeira My Gym brasileira, Japequino já contabiliza mais sete projetos engatilhadas para a instalação de novas unidades - em Goiânia, Belo Horizonte, São Bernardo do Campo, Alphaville e mais três na capital paulista, nos bairros do Morumbi, Campo Belo e Anália Franco. Até 2013, a meta da rede é chegar a 35 academias no Brasil, com um faturamento anual de US$ 9 milhões. A operação da My Gym no mundo espraia-se por 27 países e faturou US$ 52 milhões em 2009, com 210 academias. "O maior crescimento da empresa deverá ocorrer no Brasil", diz Japequino. "Os americanos estão muito animados com o nosso mercado." Mas quem já está pensando em tirar o filho das aulas de natação deve pensar duas vezes antes de pôr em prática essa ideia. Na unidade de Moema, a mensalidade paga pelos 80 alunos varia de R$ 180 a R$ 400 por uma hora de aula semanal, com direito a mais duas visitas do aluno à academia em horários pré-agendados para brincar livremente. Segundo Japequino, o diferencial do negócio é o desenvolvimento global das crianças. "Trabalhamos as partes física, mental e social delas", afirma. "Não é algo que se encontra em outras atividades." De olho em pais "verdes", a academia também está iniciando a venda de roupas e acessórios de ginástica, com uma linha de produtos feitos com materiais reciclados.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG