Os preços futuros do petróleo estão em baixa, influenciados pelos temores de deterioração na demanda pela commodity após o governo japonês divulgar que a economia do país encolheu pelo segundo trimestre consecutivo no terceiro trimestre, caracterizando o primeiro cenário de recessão do Japão desde 2001. Às 11h15 (de Brasília), o contrato futuro de petróleo com vencimento em dezembro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) caía US$ 0,38, ou 0,67%, para US$ 56,66 o barril.

Em Londres, o contrato do petróleo tipo Brent com vencimento em janeiro recuava US$ 0,23, ou 0,41%, para US$ 56,03 o barril.

Na semana passada, a economia da zona do euro também encolheu pela segunda vez consecutiva no terceiro trimestre, marcando a primeira recessão econômica do bloco. "A demanda continua aparentemente fraca devido às profundas retrações na atividade econômica em todo o mundo", disse Peter Beutel, analista da Cameron Hanover.

Os fundamentos técnicos do petróleo apontam que os preços devem continuar caindo e podem atingir US$ 50 o barril ainda nesta semana, segundo operadores. "O ciclo de alta nos preços de 2007 a 2008 terminou e prevemos que haverá mais fraqueza até os US$ 50 o barril antes de uma recuperação", segundo analistas do Barclays Capital.

Operadores aguardam os resultados de uma reunião de emergência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no Cairo, em 29 de novembro, na qual os representantes devem iniciar as discussões sobre a possibilidade de um corte na produção.

Em seu relatório mensal, divulgado mais cedo, a Opep revisou a demanda mundial por petróleo em 2008 para 86,2 milhões de barris por dia, 260 mil barris por dia abaixo da previsão anterior. Em 2009, a demanda global deve chegar a 86,7 milhões de barris por dia, 270 mil barris por dia abaixo da projeção anterior.

O cartel também anunciou que "acompanhará o mercado de perto" até a reunião oficial do grupo, em 17 de dezembro, e que está "pronto para agir em prol da estabilidade do mercado de petróleo". As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.