Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Reação à decisão do Fed dá o tom da quarta-feira

SÃO PAULO - Sem indicadores de peso na agenda do dia, os agentes financeiros voltam-se para a resposta dos mercados depois da decisão de juros do Federal Reserve (Fed), banco central americano. No Brasil, os juros futuros e o dólar não reagiram à queda do custo do dinheiro dos EUA, que saiu de 1% ao ano para uma banda de zero a 0,25% ao ano.

Valor Online |

A medida surpreendeu o mercado, que previa queda de 0,5 ponto percentual na taxa fixada em 1% ao ano.

Além do corte, o Fed também anunciou que continuará atuando para a economia via operações de mercado. A autoridade monetária também se comprometeu com as medidas de compra de ativos hipotecários e anunciou uma nova linha para financiar os mutuários e pequenas empresas.

Além disso, os investidores acompanham os resultados trimestrais do Morgan Stanley e esperaram o resultado da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que discute sobre um corte de produção.

Por aqui, o único evento do dia é a apresentação do Índice de Preços de ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O indicador avançou 0,23% na segunda prévia de dezembro, perto do consenso, que era de inflação de 0,22%. Na agenda, há ainda a apresentação pelo Banco Central do fluxo cambial.

Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o foco fica no exercício de opções sobre o Ibovespa futuro. O contrato de dezembro deixa de ser negociado e o de fevereiro passará a ser o mais líquido.

Na Europa, são esperados índice de preços ao consumidor de novembro e a ata da reunião do Banco da Inglaterra (BoE), que, no começo do mês, reduziu a taxa de juros na região de 1 ponto percentual, para 2% ao ano. As bolsas da região também não assimilar a decisão do Fed, pois os negócios encerraram antes do final da reunião.

A agenda desta semana ainda reserva a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a segunda prévia do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e o Índice Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de dezembro.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG