O suco de caju do Brasil é fascinante - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

O suco de caju do Brasil é fascinante

A PepsiCo pretende transformar o Brasil em uma base estratégica para a matriz. Isso significa fazer com que o País passe a contribuir com idéias, inovações e talento, explicou ao Estado a presidente mundial da empresa, Indra Nooyi.

Agência Estado |

"Para transformar o Brasil em uma base estratégica, precisamos aumentar a nossa presença. Temos agora a oportunidade de acelerar o crescimento."

Eleita uma das cinco mulheres mais poderosas do mundo pela revista Forbes, Indra, 52 anos, veio ao Brasil anunciar o investimento de US$ 450 milhões até 2013. O presidente da PepsiCo Alimentos para América do Sul, Olivier Weber, diz que a maior parte dos recursos servirá para ampliar a divisão de alimentos, em especial a dos salgadinhos Elma Chips.

De olho no consumidor emergente da classe D, a empresa abrirá uma fábrica em Feira de Santana (BA), outra no Distrito Federal e "uma ou duas" na Região Norte, em local ainda não definido. Responsável por diversificar o portfólio de alimentos e bebidas do grupo, incorporando linhas mais saudáveis, como as marcas Tropicana, Gatorade e Quaker, a executiva aposta no potencial brasileiro para novos lançamentos da companhia. "Ontem comemos todas as frutas. Nunca tinha tomado suco de caju. O que se pode fazer com isso? Não sei, mas é fascinante", disse a executiva.

Nascida na Índia, Indra mudou-se para os Estados Unidos em 1978 e se considera americana. Ela recebeu o Estado na cobertura do hotel Grand Hayatt, em São Paulo, no começo da noite de quarta-feira, e não fez cerimônia em tirar os sapatos na frente da reportagem. Mas, para as fotos, foi vaidosa e pediu para ser fotografada depois de se arrumar para um jantar.

Quais são os planos para o Brasil?
O Brasil como mercado é importante para nós, mas o mais importante é que o País pode ser uma base de talentos que sirva o resto da PepsiCo. Por isso, a gente olha o Brasil de forma muito estratégica. Mas, para transformar o Brasil em uma base estratégica, precisamos aumentar a nossa presença. Temos agora a oportunidade de acelerar o crescimento.

Esse crescimento será focado nas classes D e E?
Sempre tivemos produtos, como a maioria das companhias, para as classes A, B e C. Mas as classes D e E são um mercado diferente, que precisa de um produto acessível.

Outras multinacionais descobriram as classes D e E há mais tempo e hoje estão não apenas atendendo a esses mercados, mas lucrando com eles. A PepsiCo não está um pouco atrasada?
Talvez estejamos chegando tarde. Mas uma das boas coisas da PepsiCo é que nós podemos chegar tarde, mas nunca somos lentos. Pode acreditar em mim, vamos avançar de forma bem rápida.

A Pepsi, a despeito de ter um parceiro como a AmBev na distribuição, tem uma participação de mercado muito pequena em comparação com a Coca-Cola. Por que a Pepsi nunca decolou no Brasil?
Há mercados no Oriente Médio, em que temos de 80% a 90% de participação. Depende de quem se estabeleceu primeiro. A liderança no mercado tem a ver com história. Mas somos mais do que uma empresa de refrigerantes. Somos uma empresa de alimentos e bebidas. Com a Elma Chips no Brasil, somos a número um em salgadinhos. Em refrigerante, somos um forte número dois.

O consumo de refrigerante começa a estagnar nos mercados mais desenvolvidos. A sra. acha que essa tendência de bebidas mais naturais e saudáveis veio para ficar?
Todas nossas pesquisas mostram que as pessoas amam as bolinhas. O que pode ser uma questão é o conteúdo de açúcar. E, quando as pessoas não gostam de açúcar, elas vão para a versão diet. A próxima fronteira será encontrarmos um refrigerante com um adoçante natural, sem calorias. Acabamos de lançar no Peru uma água adoçada com Stevia, adoçante natural, zero caloria. Esse produto é fantástico.

Como foi o encontro com o presidente Lula na quarta-feira?
Foi extraordinário. Eu fiquei extremamente impressionada. Você lê as notícias, mas quando você vê, é diferente. Ele é muito amistoso, muito simpático, fala como um presidente de uma grande empresa. Fala no longo prazo, em como tornar o Brasil bem-sucedido. Mas, ao mesmo tempo, ele está preocupado com o povo.

Como o Brasil contribuirá para diversificar o portfólio da empresa?
Talvez a gente possa incorporar as frutas do Brasil para proporcionar produtos mais nutritivos. Ontem (quarta-feira) comemos todas as frutas. Nunca tinha tomado suco de caju. O que se pode fazer com isso? Não sei, mas é fascinante. Estávamos vendo frutas na mesa, e eu vi jaca. Cresci com jaca na Índia. É uma fruta fantástica. No sul da Índia, eles fazem jaca chips. É um exemplo de uma fruta fabulosa. O que podemos fazer com isso? O potencial é enorme.

Como a sra. combina a direção da PepsiCo com a vida pessoal?
Não é fácil. Todo dia você tem que fazer escolhas. Sempre tem alguma culpa: eu deveria ir a um evento na escola ou deveria ir à minha reunião? Mas isso é a vida. Você tem que casar com a pessoa certa, o que eu fiz. E, desde que as crianças entendam, é ok. Você tem que ter um esquema para te apoiar. Eu tenho. No escritório, todo mundo me ajuda.

Como é ser uma estrela do mundo dos negócios e figurar em todas as listas de pessoas mais influentes?
Você não pode se preocupar muito com essas listas. Um dia você está, no outro não mais. Minha mãe sempre me diz: "Eles podem tirar seu trabalho, sua fama, mas não podem tirar de você o fato de ser mãe, esposa e mulher". Eu nunca esqueço essas três posições.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG