Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Quito rejeita oferta e ratifica expulsão da Odebrecht

O governo do Equador ratificou ontem a decisão de expulsar a construtora brasileira Norberto Odebrecht, depois de o presidente Rafael Correa ter considerado pouco convincente uma proposta da empresa de compensar o país pelos danos que paralisam, desde junho, a Usina Hidrelétrica de San Francisco. Correa havia expulsado a construtora do Equador por decreto no dia 23.

Agência Estado |

As instalações e obras da Odebrecht no país foram ocupadas pelas Forças Armadas e quatro cidadãos brasileiros que a representam - dos quais, dois permanecem abrigados na residência da Embaixada do Brasil em Quito - tiveram seus direitos constitucionais suspensos.

"O presidente cedeu muito, mas, definitivamente, (a Odebrecht) não pode continuar no país", disse o ministro de Setores Estratégicos, Galo Borja. A Odebrecht ofereceu garantias de US$ 46 milhões para assegurar o reparo da obra, mas Correa considerou a oferta insuficiente. Ontem à noite, a construtora afirmou que ainda não havia recebido nenhum comunicado oficial do governo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG