Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Querosene de aviação acumula alta de 35% no ano

As três maiores empresas aéreas do País admitem a possibilidade de novos reajustes nas passagens por causa do preço do querosene de aviação (QAV), que sobe com o custo do petróleo. Hoje, começa a vigorar o reajuste de 3,6% no preço do QAV, informou ontem o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea).

Agência Estado |

Esse é o sétimo aumento mensal do QAV este ano, determinado pela Petrobrás. Com isso, o combustível dos aviões, que responde por até 40% dos custos, acumula alta de 35,32% em 2008, o maior índice para o período desde pelo menos 2005.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as passagens aéreas acumulam alta de 3,39% de janeiro a maio. Para a Gol e a Varig, vai haver novos aumentos se a alta do petróleo persistir. A TAM informa que este ano o yield (índice de referência para reajustes de tarifas) deve ter alta de 7% nos vôos domésticos e 5% nas rotas para o exterior.

Segundo um comunicado da Gol, neste ano o custo operacional aumentou como conseqüência dos constantes e acelerados reajustes dos preços do petróleo. "Se o atual cenário de alta do preço do petróleo permanecer, será inevitável aumentar os preços das passagens", diz o comunicado.

A TAM informou que, "em virtude do atual cenário de alta volatilidade no preço do petróleo, acredita que haverá um aumento de aproximadamente 7% no valor do yield (preço pago pelo passageiro por quilômetro transportado) doméstico e em torno de 5% no valor do yield internacional (em dólares) neste ano, em comparação com 2007".

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG