Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Queda de commodities empurra Bovespa à 3a baixa seguida

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - A queda nos preços das commodities levou a Bovespa para a terceira queda seguida nesta quarta-feira, no final de uma sessão volátil e de giro financeiro encolhido.

Reuters |

Embora tenha esboçado recuperação nas primeiras horas de negócios, o Ibovespa não resistiu à fraqueza das ações de maior peso na carteira e caiu 0,88 por cento, para 40.845 pontos, ampliando a 4,5 por cento a queda acumulada na semana.

O volume financeiro de negócios na sessão foi de 3,72 bilhões de reais.

De acordo com profissionais do mercado, na ausência de indicadores macroeconômicos mais relevantes, os investidores buscaram referência nos mercados de commodities, que tiveram outro dia de ajuste, após o rali do início do mês.

"Teve um pouco de realização de lucros", acrescentou Nicolas Barbarisi, diretor de operações da Hera Investments.

No setor de metais, conversas de que a Vale estaria enfrentando pressões mais fortes de clientes na China por descontos maiores nos preços de minério de ferro levaram a ação da companhia a cair 1,94 por cento, a 30,29 reais.

A queda nos preços de metais também pressionou as fabricantes de aço. Usiminas perdeu 2,8 por cento, valendo 28,67 reais. Companhia Siderúrgica Nacional veio logo atrás, recuando 2,7 por cento, para 36,78 reais.

Reagindo a uma derrocada na cotação do barril do petróleo, Petrobras perdeu 0,55 por cento, negociada a 26,90 reais.

A queda do índice foi parcialmente esvaziada nos últimos minutos da sessão, com a reação positiva de Wall Street ao anúncio de que congressistas dos Estados Unidos chegaram a um acordo sobre o pacote de estímulo econômico do governo Obama.

Na ponta positiva do Ibovespa, NET Serviços avançou 3,9 por cento, para 14,70 reais.

A operadora de TV a cabo reportou prejuízo de 91 milhões de reais no quarto trimestre de 2008, ante lucro de 96 milhões de reais no mesmo período do ano anterior, mas analistas consideraram positivo o aumento nas margens de lucro e de receita.

Os bancos, que na véspera tinham sido bastante castigados, refletindo o pessimismo internacional com o setor em meio à frustração com o plano de resgate anunciado pelo Tesouro dos EUA, tiveram recuperação. Bradesco subiu 1,7 por cento, para 22,44 reais.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG