Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Quarta companhia aérea do mundo reduzirá salários para cortar despesas

Pequim - A China Southern Airlines, a quarta maior companhia aérea mundial em número de passageiros, reduzirá em 10% os salários de seus diretores como parte de seu plano para cortar US$ 190 milhões em despesas.

EFE |

Esta medida que entrará em vigor durante a segunda metade deste ano, afetará centenas de empregados da empresa, incluído o presidente, Liu Shao yong.

Para enfrentar a alta do preço do petróleo, as companhias aéreas de todo o mundo impuseram uma série de taxas suplementares, e reduziram os serviços que oferecem durante os vôos.

As três grandes companhias do país asiático, China Southern, China Eastern Airlines e Air China, se viram obrigadas a voar a maior altura para otimizar o uso do combustível.

"Quando estas medidas não são suficientes para combater os exagerados preços do combustível, as companhias aéreas têm que recorrer a métodos mais drásticos, como as reduções salariais", indicou o analista do Instituto de Pesquisa de Daiwa Kelvin Lau.

O pacote de medidas inclui ainda um corte de US$ 117 milhões em investimentos em infra-estruturas e diretrizes para economizar querosene.

"Servirá de exemplo a ser seguido para outras companhias chinesas, como Air China e China Eastern", apontou Lau.

Com esta decisão,a China Southern Airlines espera igualar os lucros operacionais de US$ 233 milhões obtidos no ano passado.

Apesar da difícil temporada atravessada pelas companhias aéreas devido ao preço do combustível, a Air China, uma dos concorrentes diretas da China Southern, anunciou a compra de 45 aviões Boeing.

"Os mais eficientes em gestão de combustível de sua classe", destacou o presidente de Air China, Kong Dong.

O preço do barril de petróleo atingiu na semana passada um novo recorde, ao chegar aos US$ 147, embora o Governo chinês mantenha artificialmente baixos os preços do petróleo, apesar das reiteradas reivindicações das companhias petrolíferas do país para que os libere.

Leia tudo sobre: empresas

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG