Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Puxada por Vale e siderúrgicas, Bovespa supera 41 mil pontos

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - O avanço dos preços de commodities metálicas alçou a Bolsa de Valores de São Paulo para a segunda sessão seguida de forte alta, na contramão dos mercados de Wall Street.

Reuters |

Mesmo perdendo fôlego no final do dia, o Ibovespa fechou com valorização de 3,17 por cento, atingindo 41.518 pontos, o maior nível desde 14 de outubro.

Nas duas primeiras sessões de 2009, o indicador acumula ganho de 10,6 por cento.

Diferentemente do primeiro pregão do ano, quando o índice disparou 7,17 por cento num dia de poucos negócios, nesta segunda-feira o volume financeiro foi de 4,25 bilhões de reais --acima da média diária dos últimos dois meses.

De acordo com profissionais do mercado, o mote principal para a alta foi o anúncio de que o governo chinês vai eliminar taxas de importação sobre algumas commodities metálicas, como cobre, níquel e alumínio, a partir de 1o de fevereiro, para estimular a re-exportação.

"A notícia impactou as ações de empresas do setor", disse Newton Rosa, economista-chefe da SulAmerica Investimentos.

Entre as que refletiram a notícia mais intensamente, Companhia Siderúrgica Nacional disparou 8,9 por cento, para 34,55 reais. Pouco atrás, Usiminas ganhou 6,6 por cento, negociada a 30,60 reais, seguida por Vale, com um salto de 6,9 por cento, a 28 reais.

Em outra frente, Petrobras reagiu à forte alta dos preços do petróleo com elevação de 2,3 por cento, a 25,10 reais. O papel chegou a subir mais, mas perdeu força após a notícia de que um acidente interrompeu a produção de uma plataforma recém-inaugurada da companhia no Rio de Janeiro. Uma pessoa morreu.

Com a força das ações ligadas a matérias-primas, o setor mais importante do Ibovespa, a influência negativa de Wall Street, num dia em que grandes montadoras de veículos anunciaram queda ao redor de 30 por cento nas vendas de dezembro, ficou em segundo plano.

A nota negativa do dia foi Pão de Açúcar, que divulgou um crescimento de 9,3 por cento das vendas brutas de dezembro em relação ao mesmo mês de 2007. O resultado agradou analistas, mas não o mercado.

Enxergando a estratégia agressiva de promoções como sinal de queda nas margens de lucro, os investidores venderam as ações da empresa, que caíram 4,1 por cento, a 31,37 reais.

FOGO DE PALHA?

Para o Merrill Lynch, a recente disparada do mercado de ações pode ter duas explicações.

A primeira é que tudo o que de pior pode acontecer em função da crise já está nos preços das ações.

A outra é que, à medida que os dados vão mostrando um cenário cada vez mais aterrador dos estragos da crise, o investidor avalia que o governo do presidente-eleito dos EUA, Barack Obama, terá que tomar medidas fiscais ainda mais profundas para tentar reanimar a economia.

"Ficamos imaginando qual será a reação do mercado quando descobrir que a recuperação vai tomar bastante tempo", considerou o Merrill Lynch em relatório.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG