Tamanho do texto

Moscou - O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, propõe enviar observadores à Rússia e à Ucrânia, a fim de restabelecer o bombeamento de gás russo à Europa, por cujo corte Moscou e Kiev se acusam mutuamente.

Merkel "está muito preocupada pela situação e fez uma boa proposta: mandar observadores europeus a Rússia e Ucrânia para comprovar a entrada e saída de gás nos gasodutos ucranianos", disse Putin ao receber ao ex-chanceler alemão Gerhard Schröder.

Putin ressaltou que a Ucrânia até agora denegava o acesso de observadores a suas estações de bombeamento, embora hoje o presidente ucraniano, Viktor Yushchenko, tenha proposto enviar analistas técnicos ao presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso.

A primeira-ministra ucraniana, Yulia Timoshenko, também acordou o envio de observadores com Barroso, a quem assegurou que a Ucrânia garantirá o fornecimento de gás à Europa se a Rússia retomá-lo, segundo a agência "Interfax".

Por sua vez, Schröder destacou a importância que, em vista dos permanentes conflitos energéticos entre Rússia e Ucrânia, adquire a construção em andamento do gasoduto North Stream, destinado a levar gás russo à Alemanha pelo fundo do Mar Báltico.

"Todos os países da União Européia deram seu sinal verde ao projeto North Stream e devem apoiá-lo", indicou o ex-chanceler, que preside o conselho de acionistas do futuro Gasoduto do Norte, segundo a agência "Interfax".

Schröder afirmou que "este projeto é importante para garantir o abastecimento energético a toda Europa", embora afirme que o North Stream não será uma alternativa aos gasodutos existentes, mas uma via adicional.

Financiado por Rússia, Alemanha e Holanda, o North Stream será o maior gasoduto do continente e deve entrar em funcionamento em 2011, embora o plano inicial fosse para 2010.

O projeto prevê ligar a costa russa do Báltico, próxima a São Petersburgo, com a Alemanha por um gasoduto de 1.200 quilômetros, capaz de bombear 27,5 bilhões de metros cúbicos de gás por ano.

Leia mais sobre gás

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.