A montadora francesa PSA Peugeot Citroën anunciou ontem que vai demitir 11 mil de trabalhadores em todo o mundo, como consequência das perdas financeiras que vem sofrendo por causa da crise econômica internacional. A companhia, com sede em Paris, registrou um prejuízo líquido de 343 milhões no ano passado.

No ano anterior, havia registrado um lucro líquido de 885 milhões. A expectativa do grupo para este ano também é de fechar com prejuízo.

A diretora financeira do grupo, Isabel Marey-Semper, afirmou que a companhia planeja demitir 11 mil funcionários este ano, depois de já ter eliminado 18 mil empregos - ou o equivalente a 10% de sua força de trabalho - no plano de reestruturação que o grupo vem pondo em prática há dois anos.

A maior parte das demissões serão na França. Entre 6 mil e 7 mil serão demissões voluntárias, afirmou o diretor de Recursos Humanos da Peugeot Citroën, Jean-Luc Vergne. A empresa havia prometido não realizar demissões forçadas na França este ano, em troca de um empréstimo federal de US$ 3 bilhões.

O diretor geral do grupo automobilístico, Christian Streiff, afirmou que a prioridade é evitar o acúmulo de dívidas trabalhistas e minimizar o impacto da falta de liquidez. "Como temos pela frente a perspectiva de uma recessão prolongada, nossas prioridades são claras: reduzir despesas e minimizar os gastos trabalhistas."

A diretora financeira disse esperar uma redução na produção entre 20% e 30% este ano, acompanhando a queda nas vendas. Segundo Streiff, o primeiro semestre deste ano será "particularmente difícil". Ele prevê que as vendas de automóveis irão cair 20% na Europa ocidental, antes de se estabilizar em 2010.

No Brasil, a direção da PSA Peugeot Citroën informou ontem desconhecer se o programa de demissões voluntárias será adotado no País, pois não houve qualquer comunicado da matriz. A fábrica de Porto Real (RJ) emprega 3,5 mil funcionários e 700 deles estão em licença remunerada desde janeiro, com previsão de retorno só em março. Nesse período, eles recebem só parte dos salários.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.