Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Bovespa, dólar e juros futuros começaram a semana em baixa

SÃO PAULO - A semana começou sem tendência definida nos mercados brasileiros. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não resistiu à instabilidade externa e voltou para o território negativo. O dólar perdeu valor ante o real, mas continuou respeitando o piso de R$ 1,600. Os juros futuros apontaram para baixo mesmo com a nova piora nas projeções de inflação.

Valor Online |

A escalada das vendas no Mercosul foi acentuada, sobretudo no salto de 38% no Brasil, com 75,9 mil carros. Na Argentina, o aumento foi de 12,6%.

A progressão se deveu ao bom comportamento de alguns mercados emergentes, onde o número de carros subiu 32,2% e chegou a 124 mil automóveis vendidos, explicou em comunicado a PSA Peugeot Citroën, que mantém seu objetivo de aumento global para o ano de 2008.

Já na Europa ocidental, o grupo sofreu retrocessos em três grandes mercados: 19% na Espanha (161 mil unidades), 11% na Itália (141 mil) e 7,9% no Reino Unido (140 mil).

Na Alemanha, porém, houve uma alta de 7,4%, e o número de veículos vendidos chegou a 101 mil.

A China representou 104,6 mil unidades vendidas no primeiro semestre - com um aumento de 2,95% -, na Europa Oriental o número foi de 68,9 mil - com uma expansão de 4,7% -, e na Rússia, 25,2 mil - uma progressão de 61,5%.

A Peugeot conseguiu vender 8% a mais de veículos (1,08 milhão) na primeira metade do ano, enquanto a Citroën teve de se conformar com uma alta de 0,1%.

O grupo destacou que dois dos eixos de crescimento nesses seis meses foram a Peugeot 308, com 150 mil unidades, e a Peugeot 207, com 276 mil.

Em relação aos novos modelos, foram contabilizadas 30 mil vendas da Citroën C5 e 36 mil das novas versões das caminhonetes Citroën Berlingo e Peugeot Partner.

A companhia francesa manteve seu objetivo de expandir as vendas em torno de 5% para todo o ano de 2008, embora tenha antecipado que na Europa ocidental a queda será acentuada na segunda parte do ano, e será da ordem de 4%. EFE ac/fh/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG