Os consumidores tendem a reduzir nos três primeiros meses do ano suas compras por meio dos portais de comércio eletrônico. O índice de pessoas que descartam adquirir produtos na internet de janeiro a março subiu para 15,7% dos entrevistados, alta de 6,6 pontos porcentuais em relação ao último trimestre de 2008 e 3,7 pontos porcentuais na comparação com igual período do ano passado.

Os dados fazem parte da pesquisa de Intenção de Compras na Internet, divulgada hoje pelo Programa de Administração do Varejo (Provar) e e-bit, empresa especializada em e-commerce.

Segundo o levantamento, todas as categorias registraram reduções nas intenções de compras, tanto na comparação com o último quanto o primeiro trimestre do ano passado. Em relação aos meses de outubro e dezembro, as maiores quedas foram registradas em brinquedos (8,5%), eletroeletrônicos (5,9%), telefonia e celulares (4,9%) e informática (4,9%). "As vendas na internet são mais sensíveis à crise. Os consumidores online, com uma renda média maior se comparada ao varejo tradicional, são mais esclarecidos e tomam decisões de compra mais cautelosas", afirmou o coordenador do Provar, Claudio Felisoni.

A pesquisa apontou ainda quais são os endereços de vendas na web de preferência dos consumidores. O site Submarino, controlado pela B2W Global, lidera nas categorias CD's, livros e revistas (com 32,7% de participação), eletroeletrônicos (29,9%), utilidades domésticas (28,1%), informática (22,6%), linha branca (22,6%) e telefonia celular (22,3%). O site da Americanas, também controlado pela B2W, detém a preferência de 24,2% dos consumidores de brinquedos.

A categoria de viagens e turismo foi liderada pelo site da CVC, com 27,9% das respostas; cosméticos, perfumaria e saúde pela Sack's (22,4%); e produtos para casa pela Pernambucanas (18,1%). O levantamento consultou 5.086 domicílios da capital, interior e litoral de São Paulo entre os dias 5 e 12 de janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.