Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Protestos de petroleiros não afetam produção da Petrobras

SÃO PAULO - Os protestos dos petroleiros que ocorrem nesta terça-feira nas plataformas, refinarias e terminais da Petrobras não afetam a produção da empresa, segundo afirmam a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a própria Petrobras. Segundo João Antônio de Moraes, coordenador da FUP, a paralisação é nacional e vai durar 24 horas.

Valor Online |

Os estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de janeiro, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte e Amazonas já aderiram aos protestos.

"O turno da madrugada permanece no trabalho, enquanto o turno da manhã protesta. Nós não pretendemos parar a produção, por enquanto", afirma João Antônio de Moraes.

No caso de um movimento que afetasse os trabalhos da empresa, a Petrobras tem um grupo de contingência, formado por equipes sob aviso para cobrir os desfalques dos funcionários. No entanto, segundo a assessoria da companhia, até agora "as manifestações são pontuais, não comprometem em nada as atividades e nem geram a necessidade da convocação de grupos de apoio".

Os petroleiros protestam contra a Décima Rodada de licitações de blocos exploratórios de petróleo e gás, marcada para os dias 18 e 19 de dezembro, no Rio de Janeiro, para a qual 48 empresas já foram qualificadas pela ANP (da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

"Nossa greve é patriótica, nós não pedimos aumentos salariais, nem de benefícios. O que queremos é que a mudança da lei do petróleo e o cancelamento desse leilão, que fragiliza a renda nacional e coloca o nosso petróleo nas mãos de empresas internacionais, desregulamentando o setor energético brasileiro", diz o coordenador da FUP.

Segundo comunicado da ANP, o número de empresas qualificadas neste leilão é o segundo maior das rodadas para blocos exploratórios já realizadas, ficando abaixo apenas da Nona Rodada, que tinha 62 empresas. Destas, 30 companhias são de origem brasileira e 17 são originárias de nove países estrangeiros.

A Petrobras não comenta a motivação das manifestações.

(Vanessa Dezem | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG