Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Pronto para criar o seu próprio selo de música virtual?

Pronto para criar o seu próprio selo de música virtual? Por Marcus Vinícius Brasil São Paulo, 26 (AE) - Toda crise é terreno fértil para novas iniciativas. No caso dos problemas enfrentados pela indústria fonográfica, não é diferente.

Agência Estado |

O site Next Big Sound prova isso. A idéia é simples, mas divertida.

É possível fazer dois tipos de cadastros; um para artistas e outro para "mecenas". Se você for um músico, suas faixas serão tocadas na rádio do site. Como mecenas, pode escolher artistas para criar seu próprio selo independente virtual.

"A idéia foi concebida originalmente como uma alternativa ao processo de recrutamento em grandes gravadoras. Nos inspiramos no poder de democratização da internet", diz David Hoffman, um dos criadores.

É possível escalar até dez artistas em cada selo. Quanto mais pessoas adicionarem um artista que faz parte de seu selo, mais valorizado ele fica. O artista também ganha pontos.

Os artistas mais bem ranqueados ganham destaque na homepage. E os mecenas com bom faro ganham fama no site.

Por enquanto é apenas uma brincadeira, artistas e mecenas não ganham dinheiro. Também não há previsão de qualquer tipo de iniciativa fora do plano digital. Mas Hoffman diz que o retorno tem sido positivo. "Tenho certeza de que estamos conectando artistas e ouvintes, e todo fã dá apoio a iniciantes."
Para quem está começando a criar seu selo, Hoffman sugere que "ouça muitas músicas para reunir bandas que lhe interessem" (leia mais dicas de gravadoras reais no texto ao lado).

Mas não são só o Next Big Sound e o já manjado MySpace que oferecem ferramentas de divulgação para novos artistas à procura de reconhecimento. O músico Gustavo Nobio, do projeto SUPRA Vida Secular, utiliza muitos deles para espalhar seu trabalho.

Há duas semanas, ele lançou um álbum virtual no Last.FM. "O MySpace permite que apenas seis músicas sejam colocadas de uma vez. Por isso procurei alternativas". No começo da carreira, ele distribuía músicas gravadas em fitas K-7. "Hoje pelo menos tenho a certeza de que meu trabalho não ficará preso no correio". Ou esquecido dentro de um envelope.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG