A adoção da integração lavoura-pecuária e do plantio direto para recuperar áreas de pasto degradadas é o foco de projeto da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), da Secretaria de Agricultura, com apoio da Fundação Agrisus. Pesquisadores estão avaliando os resultados da adoção da integração e do plantio direto em áreas experimentais e, este ano, vão difundir as práticas entre produtores.

Em Mirassol, na região de São José do Rio Preto, onde predomina a pecuária, está instalada área experimental de 26 hectares, onde o milho foi introduzido para fazer integração com braquiária. A área, diz o pesquisador Roberto Molinari Peres, está dividida em 24 piquetes. São seis tratamentos, repetidos quatro vezes: de pasto com adubação média a lavoura de milho no verão em dois anos consecutivos, seguida de dois anos de pastagem no verão. São utilizados três animais por piquete.

"Resultados parciais mostram que onde houve integração o ano todo o ganho de peso médio do gado foi de 530 quilos/hectare, ante 300 quilos/hectare obtidos na área de pasto com adubação média." Já a introdução de capim em áreas de grãos está sendo estudada no Médio Paranapanema.

"O capim é semeado junto com o milho safrinha, em linhas alternadas. Quando o milho é colhido, a forrageira, já desenvolvida, pode ser pastejada e a massa faz palha para o plantio direto", diz o pesquisador Aildson Pereira Duarte, destacando que, no início, o projeto vai estimular a integração de grãos com ovinos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.