SÃO PAULO - O mercado financeiro revisou para baixo pela quarta semana seguida a previsão para o índice oficial de inflação de 2008. Conforme a pesquisa Focus mais recente, feita pelo Banco Central (BC) na semana passada, a estimativa é de que IPCA aumente 6,34% este ano em vez de 6,44%. Novamente, o cálculo contempla que o indicador se encontre abaixo do teto da meta estimada para o exercício (6,5%).

Para 2009, os analistas consultados pela autoridade monetária mantiveram pela sexta semana consecutiva a perspectiva de alta de 5% para o IPCA.

Quanto aos demais indicadores inflacionários deste calendário, as projeções também foram reduzidas - o IGP-DI, por exemplo, deve ter acréscimo de 10,38% em lugar de 10,86% como aguardado no relatório anterior. No caso do IGP-M, o prognóstico é de crescimento de 10,73% e não de 10,96%. Para o IPC da Fipe, os analistas estimam incremento de 6,44%, inferior aos 6,48% contidos no levantamento passado.

Com referência a agosto, é projetado IPCA de 0,32% e IPC da Fipe de 0,40%. No documento antecedente, esses percentuais correspondiam a 0,40% e 0,43%. Sobre o IGP-DI e IGP-M, as perspectivas são de deflação, de 0,10% e 0,11%, na ordem, sucedendo alta de 0,30% e variação nula contempladas para esses indicadores no relatório anterior.

Os analistas consultados pelo BC deixaram estacionado o prognóstico para o IGP-M em setembro, em 0,30% de expansão. Para o IPCA, a previsão é de aumento de 0,34% ante o 0,35% calculado antes. O IGP-DI deve marcar 0,40% perante o 0,51% esperado no documento antecedente. No IPC da Fipe, o acréscimo deve ser de 0,35% em vez de 0,38%.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.