Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Produtores rurais argentinos devem ter perda de R$ 28 bi em 2009

Buenos Aires, 06 - Os produtores rurais argentinos terão neste ano uma queda no faturamento da ordem de 43,8 bilhões de pesos (cerca de R$ 28 bi) em relação ao resultado de 2008, segundo cálculos realizados por técnicos de Confederações Rurais Argentinas (CRA), divulgados hoje. De acordo com o relatório da entidade, as perdas são consequência da seca e das políticas agropecuárias ruins do governo de Cristina Fernández de Kirchner.

Agência Estado |

"Com este dinheiro poderiam ser construídas 30 mil escolas ou 43 mil quilômetros de rodovias", afirmou o vice-presidente de CRA, Néstor Roulet, por meio de nota enviada à imprensa.

O documento destaca que "pela falta de chuvas e devido às intervenções do governo nacional que deprimiram os preços ao produtor agrícola, o que incentivou o menor uso de tecnologia, o país produzirá 22,450 milhões de toneladas de grãos a menos" que a última safra de soja, trigo, milho e girassol. Segundo a CRA, esta menor produção, somada ao menor valor da tonelada dos grãos, provoca uma perda na entrada de recursos para a produção primária agrícola de 35,3 bilhões (aproximadamente R$ 21,5 bi).

Roulet explicou que "a milionária perda de entrada de recursos incidirá diretamente na atividade de todos os setores do país, com maior impacto nos povoados e cidades do interior". Mas isso não é tudo. "Se levamos em conta que um caminhão transporta 30 toneladas de carga, a redução na produção implica na realização de 748.333 viagens menos", indica o documento. Por outro lado, no que diz respeito ao serviço de processamento de grãos, com 2,876 milhões de hectares a menos semeados "significa que este serviço deixará de faturar 431,4 milhões de pesos (R$ 281,3 milhões)", explicam os técnicos.

Os criadores de gado de corte deixarão de ganhar 5,3 bilhões de pesos (cerca de R$ 3,5 bi), comparado com o ano passado, conforme os levantamentos da CRA. "Cinquenta por cento desta perda se deve à seca e o restante à manutenção dos valores atuais, devido à política de preços implementada pelo governo", informa o relatório. No caso dos produtores de leite, as perdas estimadas são de 3,2 bilhões de pesos (aproximadamente R$ 2,08 bi), dos quais 910 milhões (R$ 593,9 milhões) se devem à seca no campo e 73% restante, uns 2.370 bilhões de pesos (cerca de R$1,8 bi), à política de preços implementada pelo Secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno.

Protesto

Por causa da situação do agronegócios no país, a Confederação das Associações Rurais de Buenos Aires e La Pampa (Carbap) propõe uma série de medidas de protesto contra o governo. Concretamente, a entidade propõe um locaute nos dias 19 e 20 de fevereiro e em 5 e 6 de março, e uma mobilização nacional no dia 14 de março, em Córdoba.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG