Buenos Aires, 10 jul (EFE).- Produtores rurais da Argentina retomaram hoje seus protestos contra os impostos sobre exportações de grãos dispostos pelo Governo, com manifestações nos acostamentos de diversas estradas do país.

As demonstrações fazem parte de um plano de ação anunciado nesta quarta-feira pelas quatro principais patronais agropecuárias argentinas, em confronto há quatro meses com o Executivo pelo esquema de retenções móveis.

Grupos de produtores realizaram uma manifestação com tratores na cidade de Pergamino, e também houve concentrações nas imediações de diversas estradas, o que provocou alguns inconvenientes à circulação de veículos.

Enquanto isso, as comissões de Agricultura e Orçamento do Senado continuam hoje discutindo a medida adotada pelo Governo em março, e que no sábado passado recebeu o sinal verde da Câmara dos Deputados, que introduziu algumas remodelações.

Na primeira etapa do debate, os legisladores escutaram as exposições dos secretários de Agricultura, Javier de Urquiza, e de Comércio Interior, Guillermo Moreno, que defenderam o polêmico esquema tributário.

A presença no recinto de Moreno, que foi acusado de ameaças e pressões em diferentes setores, gerou fortes discussões entre senadores governistas e opositores.

O conflito entre o campo e o Governo teve início em 11 de março, quando o Ministério da Economia ditou uma resolução pela qual impôs taxações móveis sobre as exportações de trigo, girassol, soja e milho.

A rejeição ao novo esquema tributário derivou em quatro greves comerciais, bloqueios de estradas, mobilizações e desabastecimento de alimentos e insumos para a indústria.

Em meados de junho, a presidente argentina, Cristina Fernández, anunciou o envio ao Parlamento de um projeto de lei para a ratificação das retenções que, após ser aprovado pela Câmara dos Deputados, deve ser debatido pelo Senado, no qual o Governo possui maioria.

As patronais rurais convocaram os produtores para que retornem por uma semana para "a beira das estradas", e se mobilizem na capital do país na próxima terça-feira, um dia antes de o plenário do Senado debater o esquema tributário.

Os dirigentes agropecuários indicaram que acompanharão o debate no Senado de uma tenda que voltarão a instalar na praça situada em frente à sede do Parlamento, junto a outras montadas por setores que apóiam o Governo EFE hd/gs

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.