Tamanho do texto

Depois de sete anos e gastos de mais de US$ 3,5 milhões com advogados, os produtores de algodão do Brasil querem um acordo de paz com os Estados Unidos em relação aos subsídios americanos ao setor. A Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) vai propor ao Itamaraty que negocie com o governo de Barack Obama compensações para pôr fim à guerra.

Essa compensações viriam em forma de maior acesso ao mercado americano para têxteis nacionais.

O Brasil saiu como vencedor da disputa mais polêmica já tratada pelos tribunais da Organização Mundial do Comércio (OMC). A entidade declarou a vitória final do Brasil contra os subsídios americanos ao algodão, abrindo a possibilidade legal de retaliação aos EUA.

Na próxima segunda-feira, o Brasil vai defender o direito de retaliar os EUA em US$ 2,6 bilhões por causa dos subsídios ao algodão. O Itamaraty apresentará provas à OMC de que o governo americano jamais retirou os subsídios ao setor, sete anos após o início da disputa entre os países.

O Brasil espera que, até abril, a OMC determine se o valor apresentado pelo Itamaraty está de acordo com os danos sofridos. Nos EUA, o pedido de retaliação promete ter repercussões. O setor do algodão é considerado o lobby mais poderoso no setor agrícola.

Para a Abrapa, porém, as retaliações não serão uma saída para a crise. "O que queremos é que se negocie uma compensação ao setor pelos danos causados", disse o presidente da Abrapa, Haroldo Cunha.

"Não acreditamos que o Brasil vá retaliar os Estados Unidos." A ideia do setor, que será apresentada ao chanceler Celso Amorim na semana que vem, é que o Brasil negocie uma abertura no mercado americano para as exportações têxteis do País.

Dessa forma, o setor ganharia. Já uma retaliação não traria nenhum ganho real aos produtores de algodão ou ao setor. O governo havia indicado que poderia retaliar não apenas aumentando taxas de importação de bens americanos, mas também suspendendo patentes de empresas americanas, iniciativa polêmica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.