Setor manteve trajetória de alta mensal e acumula expansão de 17,2% no primeiro bimestre

Atualizada às 9h21

A produção industrial cresceu 1,5% na passagem de janeiro para fevereiro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No primeiro bimestre do ano, a alta do setor chegou a 17,2%.

Na comparação com igual mês do ano passado, o crescimento da produção industrial foi de 18,4%, completando três meses consecutivos de alta de dois dígitos. No acumulado de 12 meses, no entanto, houve queda de 2,6%.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL

Acompanhe a trajetória da indústria desde o agravamento da crise mundial

Gerando gráfico...
Fonte: IBGE

"Dos 27 ramos pesquisados, 15 apresentaram crescimento nessa comparação, com destaque para a indústria farmacêutica (15,9%), seguida por edição e impressão (7,0%) e máquinas para escritório e equipamentos de informática (15%)", informou o IBGE.

Os bens de consumo semi e não duráveis encerram fevereiro com alta de 2,4% frente ao mês anterior e tiveram o maior crescimento entre as categorias de uso. Foi o terceiro mês seguido de alta no segmento.

A produção de bens de capital subiu 1,7%, enquanto bens de consumo duráveis saltou 0,7%. A produção de bens intermediários, por outro lado, interrompeu uma série de 13 meses de crescimento ao cair 0,5% e ser a única categoria que não apresentou expansão na comparação mensal. 

Veículos

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o veículos automotores se mantiveram como a principal atividade em expansão. O crescimento no bimestre foi de 38,9%, segundo o IBGE. "Outras contribuições positivas relevantes vieram de máquinas e equipamentos (37,8%), outros produtos químicos (29,9%) e metalurgia básica (34,7%)."

Das 27 atividades pesquisadas, 24 apresentaram alta nesta base de comparação. O destaque de queda ficou com outros equipamentos de transportes, que recuou 16,7% em janeiro e fevereiro de 2010.

"Entre as categorias de uso, o destaque ficou para bens de consumo duráveis (30,2%), bens intermediários (20,0%) e bens de capital (19,1%), enquanto a produção de bens de consumo semi e não duráveis (8,0%) cresceu abaixo da média", completou o IBGE.

Em recuperação

A produção industrial manteve o movimento de redução no ritmo de queda desde outubro do ano passado. Entre o fechamento de 2009 e fevereiro deste ano, o indicador avançou 4,8 pontos percentuais, saltando de -7,4% em dezembro para -2,6% na última medição.

"Considerando esses dois momentos, o indicador passou a positivo para os bens de consumo duráveis (-6,4% em dezembro do ano passado e 1,5% em fevereiro deste ano) e bens de consumo semi e não duráveis (-1,5% e 0,5%)", disse o IBGE.

Nas demais categorias, embora ainda estejam em patamares negativos, houve redução no ritmo de perdas. Bens de capital saltou de -17,4% em dezembro para -12,7% em fevereiro, enquanto bens intermediários mudou de -8,8% para -3,1%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.