RIO - A produção industrial brasileira já caiu 16,9% entre setembro, quando atingiu o pico histórico, e fevereiro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou hoje a Produção Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF) de fevereiro. De acordo com o coordenador de indústria do IBGE, Silvio Sales, o resultado mostra uma recuperação no primeiro bimestre, uma vez que em dezembro esse tombo era de 20,1%.

A recuperação é fruto de dois meses de alta na margem, apesar das sucessivas baixas frente aos resultados de 2008. Em janeiro a produção industrial cresceu 2,1% frente a dezembro, enquanto em fevereiro a alta foi de 1,8% na comparação com janeiro.

" A recuperação na margem não foi suficiente para compensar as quedas dos meses anteriores. Excetuando-se os resultados da ponta, houve queda da produção nos outros tipos de comparação " , disse Sales.

O recuo de 17,2% da produção industrial no primeiro bimestre em relação aos dois primeiros meses de 2008 provocou a primeira queda do acumulado pela indústria em 12 meses desde setembro de 2002, quando o acumulado em 12 meses diminuiu 0,4%. A produção industrial fechou fevereiro com baixa acumulada em 12 meses de 1%.

Das quatro categorias de uso analisadas pelo IBGE, apenas os bens de capital se mantêm no terreno positivo entre março de 2008 e fevereiro de 2009, com aumento de 8,1% na produção na comparação com os 12 meses imediatamente anteriores. Segundo Sales, esse resultado é fruto da demora da produção de bens de capital a apontar trajetória de queda logo nos primeiros meses da crise financeira internacional.

" A queda do acumulado em 12 meses é menor porque ainda reflete um pouco da situação existente antes da crise internacional " , ressaltou o economista.

As maiores quedas da produção em 12 meses foram registradas por bens intermediários e bens de consumo duráveis, ambos com baixa de 3,2% frente aos 12 meses imediatamente anteriores. Os bens de consumo semiduráveis e não-duráveis tiveram baixa de apenas 0,1% nesta comparação.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.