Tamanho do texto

Rio de Janeiro, 5 nov (EFE).- O Brasil terá no ano que vem uma colheita de grãos de 139,3 milhões de toneladas, o que representa crescimento de 3,8% em relação à prevista para este ano, 134,1 milhões de toneladas, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A primeira previsão do IBGE para a colheita de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2010 revela que a produção aumentará na comparação com 2009, mas não voltará aos níveis de 2008, quando o país teve uma produção recorde 145,8 milhões de toneladas.

A colheita do ano que vem, no entanto, será a segunda maior da história do Brasil.

Segundo o IBGE, o aumento da produção em 2010 frente a 2009 será provocado principalmente pela expansão de 1,6% na área cultivada, que chegará a 47,9 milhões de hectares.

"Em termos absolutos, esse aumento totaliza 700 mil novos hectares de cultivos", esclareceu o instituto em comunicado.

A área destinada para o cultivo de soja será aumentada em 4,5% no próximo ano. A semente é responsável por quase metade da colheita agrícola brasileira em volume.

Outros produtos que terão uma maior área de cultivo no ano que vem são a cebola (2,8%), o tabaco (1,5%), a mandioca (1,2%) e o feijão para a primeira safra agrícola (0,9%).

Por outro lado, terão menos espaço os cultivos de produtos como algodão (-8,0%), milho para primeira safra (-4,4%) e arroz (-1,2%).

Quanto à produção, a soja será o maior destaque, com um aumento de 11,8%, até 63,7 milhões de toneladas.

Também terão grandes aumentos na produção o feijão para a primeira safra (13,9%), a cebola (7,3%), o tabaco (4,0%) e a mandioca (3,2%).

Já a produção de algodão cairá 8,1%, assim como a de arroz (-5,1%) e a de milho para a primeira safra (-2,2%).

A produção de milho será 2,2% menor, mas, mesmo assim, o produto será o segundo mais colhido no Brasil em volume depois da soja, com uma colheita de 33,1 milhões de toneladas.

Logo depois aparecem o arroz (11,9 milhões de toneladas) e o algodão (2,7 milhões de toneladas). EFE cm/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.