FRANKFURT (Reuters) - A produção de aço bruto da Alemanha saltou 91,5 por cento em março em relação ao mesmo mês do ano passado, para 3,958 milhões de toneladas, o maior volume produzido desde setembro de 2008.

Números divulgados pela Federação Alemã do Aço nesta segunda-feira mostram que a produção de aço bruto cresceu cerca de 50 por cento no primeiro trimestre, para 10,868 milhões de toneladas.

" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Produção de aço da Alemanha quase dobra em março

FRANKFURT (Reuters) - A produção de aço bruto da Alemanha saltou 91,5 por cento em março em relação ao mesmo mês do ano passado, para 3,958 milhões de toneladas, o maior volume produzido desde setembro de 2008.

Números divulgados pela Federação Alemã do Aço nesta segunda-feira mostram que a produção de aço bruto cresceu cerca de 50 por cento no primeiro trimestre, para 10,868 milhões de toneladas.

Reuters |

FRANKFURT (Reuters) - A produção de aço bruto da Alemanha saltou 91,5 por cento em março em relação ao mesmo mês do ano passado, para 3,958 milhões de toneladas, o maior volume produzido desde setembro de 2008.

Números divulgados pela Federação Alemã do Aço nesta segunda-feira mostram que a produção de aço bruto cresceu cerca de 50 por cento no primeiro trimestre, para 10,868 milhões de toneladas.

"Dado que a recessão alcançou seu ponto mais baixo na primavera de 2009, taxas muito altas de crescimento na produção são esperadas para o próximo trimestre também", afirma a entidade.

"Entretanto, a situação econômica continua frágil, especialmente diante do cenário da tensa situação dos mercados de matérias-primas", afirmou.

A entidade se referiu às altas explosivas nos preços de minério de ferro e carvão coque. Grandes mineradoras como Vale, BHP Billiton e Rio Tinto estão dobrando preços.

As siderúrgicas alemãs incluindo ThyssenKrupp e Salzigitter sofreram em 2009 com a demanda de montadoras e do setor de engenharia recuando.

A produção de aço bruto da Alemanha, sétimo maior produtor de aço do mundo, encolheu 28,7 por cento, para quase 33 milhões de toneladas no ano passado.

A utilização de capacidade caiu para metade em algumas usinas e seis de 15 alto fornos foram paralisados. Todos exceto um tiveram suas atividades retomadas desde então.

(Por Tom Kaeckenhoff)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG