Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Procon: maioria dos SACs apresenta irregularidades

Mais da metade das centrais de atendimento por telefone não se adaptou às novas regras para funcionamento do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC), mostra balanço divulgado hoje pela Fundação Procon de São Paulo (Procon-SP). Das mais de 60 empresas fiscalizadas, 35 apresentaram algum tipo de irregularidade desde o dia 1º de dezembro, quando entrou em vigor decreto presidencial que disciplina o serviço prestado pelas empresas em relação à acessibilidade e qualidade do atendimento.

Agência Estado |

Segundo a pesquisa, entre as empresas que apresentaram irregularidades, 16 ultrapassaram o tempo máximo de espera - um minuto, conforme o novo decreto - para contato direto com um atendente. Catorze estavam com o SAC indisponível, seja por linha ocupada, telefone mudo ou solicitação para contato posterior. Nove interromperam a ligação, oito não possuíam no primeiro menu eletrônico as opções de contato direto com atendente, reclamação ou cancelamento e seis não asseguravam funcionamento do SAC por 24 horas.

O Procon-SP constatou mais infrações, como empresas que não comunicavam de forma objetiva o número do SAC na página na internet. Outras veiculavam mensagens publicitárias durante a espera sem consentimento do consumidor. Também houve queixa daquelas que condicionavam o acesso ao atendente ao fornecimento de dados pelo consumidor, prática ilegal de acordo com as novas regras. Três das empresas sequer tinham número gratuito para SAC.

O consumidor insatisfeito com o atendimento telefônico deve registrar reclamação em um órgão de defesa, orienta o Procon-SP. Nesse caso, ele tem direito a receber o número de protocolo da chamada e deve exigir que lhe seja enviada cópia com o conteúdo da gravação.

As empresas que cometeram infrações serão autuadas e responderão a processo administrativo no Procon-SP. A multa varia de acordo com a gravidade e quantidade de irregularidades cometidas e a condição econômica do infrator, indo de R$ 212 a R$ 3.192.300. No balanço, os fiscais realizaram mais de 1.500 ligações telefônicas entre 1º e 7 de dezembro, gravadas e cronometradas.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG