Tamanho do texto

SÃO PAULO - O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, reiterou nesta tarde que a autoridade monetária pretende trazer a inflação no país para o centro da meta, de 4,5%, ainda em 2009. Meirelles afirmou que as projeções de mercado, apuradas pelo boletim Focus semanalmente, já estão embutindo a atuação do BC no controle dos preços. Isso é um sinal de credibilidade da autoridade monetária e de que ela está adotando as medidas adequadas para fazer convergir a inflação para a meta.

O dirigente não fez comentários adicionais sobre a conjuntura econômica local, lembrando que a avaliação do BC sobre o momento presente consta nas atas das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom).

Em palestra sobre dados macroeconômicos brasileiros em São Paulo, Meirelles voltou a enfatizar o bom desempenho do país mesmo diante da crise internacional, classificada por ele como de grandes dimensões. Segundo o presidente do BC, está mantida a previsão de crescimento do PIB de 4,8% neste ano, ainda que o dólar esteja em desvalorização perante outras moedas. Tal movimento, disse, se deve principalmente à fraqueza da economia americana e ainda à incerteza em relação aos preços de commodities.

Meirelles acrescentou que os preços internacionais de matérias-primas, embora tenham arrefecido recentemente, têm sido em grande medida sustentados pela demanda chinesa.

O presidente do Banco Central chamou a atenção também para a expansão do crédito, que vem sustentando a demanda doméstica. Ele não deu sinalização de risco para o atual patamar do estoque de empréstimos, hoje em 36,5% do PIB.

Henrique Meirelles foi homenageado hoje pelo Rotary Club de São Paulo com o troféu Ateneu Rotário, pelo seu destaque na área econômica.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.