Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Presos 34 em ação anticorrupção no Incra e na Receita

São Paulo e Cuiabá, 12 - Foram presas hoje 34 pessoas em cinco Estados durante a Operação Dupla Face, da Polícia Federal, que tem como objetivo combater a corrupção de servidores públicos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Receita Federal. A ação está sendo desencadeada em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo.

Agência Estado |

Entre os detidos, está um procurador do Incra, cuja identidade não foi revelada.

Serão cumpridos 98 mandados judiciais expedidos pelo juiz da 2ª Vara Federal em Cuiabá. Destes, 34 são mandados de prisão temporária e 65 de busca e apreensão. As prisões são dirigidas a 18 servidores públicos e 16 despachantes responsáveis por intermediar pagamento de propina a servidores daqueles órgãos.

A investigação, iniciada em 2006, identificou a existência de duas organizações criminosas distintas: uma agia no Incra e outra na Receita Federal. Algumas pessoas envolvidas atuavam nas duas quadrilhas. Segundo a PF, no Incra, o esquema agia principalmente nos Processos de Certificação de Imóveis Rurais em trâmite. A quadrilha cooptava proprietários interessados em obter o documento de suas propriedades rurais, intermediando o pagamento de propina a servidores.

Ainda de acordo com a PF, os investigados que atuavam junto à Receita Federal praticavam diversos crimes em prejuízo do erário em troca de recebimento de suborno, tais como fornecimento de dados sigilosos a que têm acesso em razão das funções que ocupam, cancelamento de créditos tributários, fraude e agilização de processos de restituição de imposto de renda e regularização de CPFs.

O delegado da PF Luciano de Azevedo Salgado disse que os despachantes intermediavam negociações no Incra para acelerar processos de certificação de imóveis rurais. Em troca, os servidores públicos cobravam propina de até R$ 30 mil. "A quadrilha dificultava o trâmite desses processos e o andamento só acontecia com o recebimento da propina", afirmou.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG