Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Presidente Lula marca encontro com centrais sindicais para segunda-feira

CORUMBÁ - O presidente Luis Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira que reunirá todas as centrais sindicais do País na próxima segunda-feira, em Brasília, para discutir o que o governo poderá fazer para evitar que ocorram demissões no País. Já pedi ao Ministério do Trabalho um relatório e vou pedir às centrais que apresentem para mim um relato completo de tudo o que está acontecendo sobre o risco de demissões. Só assim vamos ver o que podemos fazer, afirmou.

Redação com Agência Estado |

 

Ao responder às perguntas sobre a possibilidade de o governo intervir nas negociações do setor metalúrgico, na região do ABC, como quer a Força Sindical, o presidente disse: "Especificamente sobre esse assunto eu vou me inteirar melhor somente na segunda-feira para ver o que podemos fazer", disse.


Lula afirmou que o desemprego de dezembro foi maior do que o esperado, pois o ano deve ter fechado com mais 1,5 milhão de empregos novos. "Geralmente no final do ano temos em torno de 300 mil desempregados (número médio de demissões em dezembro). Vamos fechar as contas ainda, mas deve ficar em torno de 600 mil. Vamos esperar o que vai acontecer no primeiro trimestre. Mas acreditamos que já após a posse do presidente Obama a situação vai melhorar".

Sobre a dificuldade de crédito, o presidente afirmou que o volume necessário para os investimentos programados já está garantido, "inclusive os da Petrobras". "O momento de crise não pode ser de precipitação, nem do governo e nem dos empresários. Estamos confiando no bom senso e na capacidade do governo norte-americano e da União Europeia em tentar acabar com a crise o mais rápido possível para que ela não se espalhe ainda mais", disse Lula.

Dados do desemprego

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, divulgará também nesta segunda-feira o resultado de dezembro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que registra toda a movimentação do mercado de trabalho formal, com carteira assinada.

Leia tudo sobre: lula

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG