Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Presidente da OCDE defende ajuda conjunta do FMI e UE à Grécia

A ajuda combinada à Grécia pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela União Européia pode ser a melhor maneira de ajudar o altamente endividado país em sua crise de dívida, disse neste domingo o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) Angel Gurria. A Grécia, que está pagando quase duas vezes o que a Alemanha paga para refinanciar a sua dívida, está pressionando seus parceiros europeus pra um concreto pacote de ajuda que fique pronto para ajudar a levar os custos de empréstimos para baixo.

Reuters |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237562632551&_c_=MiGComponente_C

 

Com o objetivo de fazer um ajuste de 4 pontos percentuais no ajuste fiscal para reduzir o déficit fiscal para 8,7% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, a Grécia tem dito que pode se voltar o FMI se uma solução européia não for encontrada para ajudar o país a gerenciar a sua enorme dívida.

"A Europa precisa oferecer um forte suporte para a Grécia após ter apresentado o programa de estabilidade. O mercado receberá a mensagem, a Grécia vai diminuir os custos da sua dívida e vai se movimentar para implementar as medidas e reformas", disse Gurria em entrevista ao jornal Kathimerini.

"Eu considero que a melhor maneira é uma combinação se suporte, financiamento e garantias. Nesta combinação em vejo o FMI muito bem", disse ele ao jornal.

Os líderes da União Européia irão discutir um mecanismo de suporte para a Grécia em reunião em Bruxelas em 25 e 26 de março, e o presidente da União Européia Jose Manuel Barroso pediu aos membros do grupo que aprovem um pacote-reserva de ajuda para a Grécia.

Leia mais sobre: Grécia

Leia tudo sobre: crisefmigréciaocdeunião europeia

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG