Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Presidente da MPX alerta para distorção do modelo do setor elétrico

RIO - O presidente da MPX, Eduardo Karrer, afirmou que a falta de adequação do modelo regulatório brasileiro ao crescimento das distâncias entre as usinas geradoras e os mercados consumidores pode gerar impactos no custo marginal de operação do sistema elétrico. De acordo com Karrer, não é crível que os custos da energia gerada por empreendimentos próximos aos mercados consumidores sejam os mesmos da energia gerada por usinas mais distantes.

Valor Online |

"No último leilão, a maior parte das usinas estava no Nordeste, enquanto a carga está no Sudeste. O país tem que precificar isso. A conta vai aparecer no custo marginal de operação do sistema", afirmou o executivo, que participou do Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico (Enase 2008).

Karrer fez questão de frisar que a MPX está "completamente capitalizada" para executar os projetos já previstos no plano de investimentos da companhia. Ele minimizou ainda a saída da EDB da parceria para a termelétrica de Pecém II, que participou, e venceu, o leilão de energia nova A-5 de terça-feira para fornecer 360 MW a partir de carvão mineral. Para ele a MPX tem condições de tocar o projeto sozinha, sem a parceira da térmica de Pecém I.

Karrer ressaltou que o projeto de investimentos de longo prazo será mantido sem a necessidade de a companhia ir a mercado. Mesmo assim, o executivo revelou que a empresa vai analisar a nova conjuntura internacional criada pela crise. "Temos que compreender que as condições de mercado são atípicas e fazem com que as empresas fiquem em posição um pouco mais conservadora", disse.

O executivo se mostrou otimista, embora tenha admitido que ainda é necessário dimensionar o impacto real da crise sobre a economia brasileira.

"Acho que o Brasil tem uma série de fundamentos e acho que por isso o país vai ser um dos menos afetados", acrescentou.

Na América do Sul, Karrer frisou que, além do Brasil, a MPX tem interesse em oportunidades no Chile e na Colômbia, devido ao bom ambiente regulatório desses países.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG