Hu Jintao evitou comentar as críticas de que a depreciação artificial do yuan dá vantagem às exportações do país

O presidente chinês, Hu Jintao, disse hoje durante a cúpula do G-20, em Toronto, que os países devem ter cautela quanto ao momento certo e a intensidade da retirada de medidas de estímulo à economia, já que a recuperação global ainda é incipiente e frágil. Hu também pediu que os países industrializados e emergentes ajudem as nações que estão atoladas em problemas fiscais e assumam um compromisso ainda maior com a renovação do sistema financeiro global e de suas regras.

Ele disse que os países têm de se esforçar para acelerar a reforma do sistema de cotas do Fundo Monetário Internacional, e que medidas como o estabelecimento de um padrão contábil universal são necessárias para evitar especulação excessiva nos mercados financeiros.

Hu também advertiu que os mercados financeiros globais podem ser ameaçados por moedas que apresentam grandes oscilações. Ele evitou, no entanto, comentar diretamente as críticas de que a depreciação artificial do yuan dá aos exportadores chineses uma vantagem competitiva e infla o superávit comercial do país com os Estados Unidos.

Com relação à economia chinesa, Hu disse que o país está se concentrando em tornar as políticas macroeconômicas atuais mais direcionadas e flexíveis. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.