SÃO PAULO - O alemão Thomas Enders, principal executivo da Airbus, tem acompanhado à distância o crescimento da Embraer e considera o desempenho da companhia brasileira de jatos regionais surpreendente . Hoje Enders irá a São José dos Campos (SP) conhecer a empresa de perto.

Lá, ele irá discutir o desenvolvimento de mercado, tecnologia de fabricação e talvez discutir como " fazer alguma coisa em conjunto " .

Enders não detalha se o que pretende é uma aliança da Airbus com a Embraer ou com os fornecedores da empresa brasileira. De qualquer forma, a aproximação faz parte da estratégia da Airbus de ampliar fronteiras e de reduzir um pouco o que Enders chama de " europeização " . Há pouco mais de um mês a empresa inaugurou uma fábrica na China, a primeira da fabricante européia fora da Europa. " Éramos a melhor da Europa e agora queremos ser a melhor do mundo " , afirma o executivo.

Enders diz estar admirado com o que foi feito pela Embraer nos últimos 15 anos. Afirma também que tem o que aprender com a empresa brasileira. Ele diz que escolheria a Embraer se tivesse que apostar em um dos fabricantes dos países emergentes a longo prazo.

" Há mais de 40 anos, lideranças da indústria aeronáutica da França e Alemanha se uniram para enfrentar o poderio da americana Boeing. Foi nesse consórcio, que depois ganhou a adesão da Espanha e Reino Unido, que a Airbus conseguiu força para ganhar praticamente a metade do mercado de avião comercial.

Agora, os dois fabricantes têm de enfrentar a ascensão dos países emergentes. Enders aponta o avanço da Rússia, que já desenvolveu aeronaves para até 100 passageiros. " Temos conversas com o russos e também com os chineses " , diz. Ele calcula que em mais 20 anos os chineses terão capacidade de desenvolver aviões.

Apesar dos pedidos em carteira para longo prazo, a indústria aeronáutica sofre com a crise atual. " É um setor muito frágil, que sempre sofre com crises guerras " , diz Enders. Segundo ele, na comparação com setembro, o movimento de passageiros caiu 3% em todo o mundo. A América do Sul foi a única região onde não houve queda no número de passageiros no período. Segundo Enders, a indústria aeronáutica deverá terminar 2008 com resultados negativos em torno de US$ 5 bilhões.

Apesar da queda nos últimos dias, o preço do petróleo ainda preocupa o setor. Enders lembra que no começo do ano o preço do barril chegou a US$ 140. Agora baixou para médias entre US$ 60 e US$ 70. " Se calcularmos a média para o ano chegaremos entre US$ 110 e US$ 113, o que ainda é muito considerável " , diz. Este ano, os gastos das companhias aéreas com combustível devem somar US$ 180 bilhões. Isso equivale, diz, a 30% dos custos. Há seis anos, o combustível representava 13% dos custos, com US$ 40 bilhões.

(Marli Olmos | Valor Econômico)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.