Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Presença em vários lugares do globo

Quando as empresas brasileiras decidem entrar no universo das exportações, os primeiros destinos procurados costumam ser os países do Mercosul. É a forma de aproveitar acordos comerciais entre o Brasil e seus vizinhos e reduzir custos e burocracia na hora de vender para o exterior.

Agência Estado |

Mas algumas empresas, por iniciativa própria ou com a ajuda governamental, têm buscado outras alternativas para ampliar a receita, diversificar os mercados e garantir o crescimento da base de clientes. Foi assim, por exemplo, que a Fanem, fundada há 85 anos por um imigrante alemão, tomou a decisão de buscar países de pouca tradição nas relações comerciais com as empresas brasileiras. A empresa é finalista do Prêmio Apex na categoria Novos Mercados.

A Fanem fabrica equipamentos médicos, a maior parte voltada ao segmento neonatal. São incubadoras, berços de aquecimento, fototerapia - muitos desses aparelhos com registro de patente internacional. As exportações começaram na década de 70. Hoje a marca está em 93 países, em todos os continentes. Djalma Luiz Rodrigues, presidente da companhia, fala orgulhoso da expansão dos negócios. Cingapura, Bangladesh, Catar, Kuwait, Kosovo, Iêmen, Síria e Iraque estão entre os clientes. As vendas para o exterior aceleraram nos últimos tempos. De 2002 até agora, segundo Rodrigues, os embarques para o mercado internacional aumentaram 650%. "Colocamos o pé na estrada. Temos feito um verdadeiro trabalho de mascate", conta o executivo.

Os contratos em novos mercados cresceram rapidamente. Até seis anos atrás, a Fanem ainda não tinha fincado sua bandeira nos países árabes. Com a ajuda da Apex, participou de uma feira chamada Arab Health, especializada em equipamentos médicos e hospitalares. Foi o ponto de partida para incrementar a carteira de clientes. Atualmente 25% da receita com exportações vêm dessa região. Segundo o presidente da Fanem, a participação em eventos internacionais é um caminhos para a aproximação com potenciais clientes. No ano passado, por exemplo, a indústria expôs a linha de produtos na feira de catástrofes de Dubai. Graças à atuação em nichos como esses, a companhia fechou algumas parcerias com a Organização das Nações Unidas (ONU) para a venda de equipamentos usados em países em fase de reconstrução após guerras. Foi assim que a Fanem foi parar no Sudão.

A Sadia é outra finalista do Prêmio Apex na categoria Abertura de Novos Mercados. Seus frangos, nuggets e lasanhas são encontrados nos mais variados lugares, como Rússia, países do Oriente Médio, Congo, São Tomé e Príncipe, Vietnã e Turcomenistão. Em alguns casos, a companhia é líder ou disputa as primeiras posições com os produtores locais. Recentemente a Sadia abocanhou o primeiro lugar no mercado de margarinas no Chile com a marca Qualy. Para Gilberto Xandó, diretor vice-presidente da empresa de alimentos, estar em tantos mercados tem como principal desafio quebrar as barreiras políticas e comerciais. "A aproximação entre os governos em muitos casos é o ponto de partida para a prospecção de novos países. Mas depois essas relações têm de avançar com acordos que estreitem esses laços e facilitem o fluxo de produtos", diz o executivo.

Não são apenas produtos que abrem as portas para a internacionalização. A Aquila International Business nasceu em Divinópolis (MG) e é especializada nos temas ligados ao comércio exterior. O proprietário Fernando Santos Eduardo inspirou-se na própria cidade mineira, cheia de vocações, mas sem um foco no desenvolvimento de atividades industriais, para começar a empresa. Hoje ele tem clientes também no Nordeste, Sul e Centro-Oeste. Entre 2006 e 2007 o consultor abriu mercado para os clientes em mais de 20 países. "Acompanho os empresários nas visitas internacionais, ajudo a organizar arranjos produtivos locais (APLs), a logística, além de disseminar a cultura exportadora entre as empresas", conta Eduardo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG