Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Pré-sal embala comícios de Lula em São Paulo

SANTO ANDRÉ - Na manhã fria de domingo, em uma praça da periferia de Santo André, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o tom de um professor para falar sobre a menina dos olhos de seu segundo mandato, o petróleo da camada de pré-sal. Ele andava de um lado para o outro do palco onde estava e seu discurso prendeu a atenção de cerca de cinco mil pessoas que empunhavam bandeiras partidárias, tinham o corpo coberto por adesivos de candidatos ou estavam aglomerava nas sacadas das casas. Seu objetivo era conquistar votos para o candidato do PT na cidade.

Valor Online |

O mesmo discurso conquistou a atenção dos militantes petistas, cabos eleitorais e curiosos que estavam nos atos políticos realizados em praças distantes dos centros de São Bernardo do Campo e Diadema, na noite de sábado, e que resistiram à garoa insistente, ao vento forte, à temperatura de menos de dez graus e ao atraso de quase duas horas do presidente. Protegido com um blusão azul marinho, com o nome da Petrobras bordado, ele explicou: Vocês sabem, dizem os estudiosos que o continente africano era ligado ao continente sulamericano há 168 milhões de anos e eles foram se separando e hoje está do jeito que está. E nessa separação ficou uma coisa chamada área pré-sal e essa área está a 7 mil metros de profundidade - e não é pouca coisa não.

Como a platéia se mantinha atenta, ele se animou a continuar: São quase 2 mil metros de lâmina de água, depois terra, depois mais 3 mil metros de rocha e mais 2 mil metros de sal, sal de cozinha, em pedra. Aí você tem que enfiar a broca até lá para tirar esse petróleo , contou Lula no palanque de Vanderlei Siraque, candidato do PT em Santo André. Discurso semelhante foi feito nos comícios de Mario Reali, em Diadema e de Luiz Marinho, em São Bernardo.

A preocupação que eu tenho é que é tão fundo, tão fundo que daqui a pouco a Petrobras vai trazer um japonês , disse, sendo interrompido por gargalhadas da platéia. O presidente explicou que isso significa uma revolução, mas o povo só vibrou quando Lula disse que com o lucro desse petróleo ele acabará com a pobreza, ajudará o povo mais pobre e pagará a dívida com a educação. Deus resolveu morar no Brasil. Ele tomou conta do mundo inteiro, mas agora resolveu fincar o pé aqui , disse.

Para conquistar votos para os candidatos do PT em São Paulo, São Bernardo do Campo, Diadema e Santo André, Lula mesclou nos discursos o pré-sal com a explicação de como venceu as oligarquias que não querem um torneiro mecânico no poder , o número de universidades e escolas técnicas construídas em seu governo - mais do que foi feito pelos antecessores com diploma e a criação de mais de 10 milhões de empregos com carteira assinada.

Ao explorar sua gestão, Lula tentou ganhar para seus candidatos principalmente o voto dos eleitores indecisos. Na noite do sábado, o químico Joemilson Thomaz da Silva, de 29 anos, foi ao ato político da campanha de Luiz Marinho, em São Bernardo para ver o presidente e disse ainda não saber em quem votará. Eu admiro Lula, gosto dele, de sua simplicidade. Mas só vou escolher o meu prefeito na hora de votar.

Segundo pesquisa Datafolha, o presidente Lula, com sua popularidade, é o melhor cabo eleitoral que um candidato poderia ter nesta eleição. O fato foi comemorado ontem pelo presidente, durante o ato político em Santo André.

Lula atingiu na cidade de São Paulo o recorde de sua popularidade, de 49%, segundo levantamento o Datafolha. De acordo com a pesquisa, 49% dos entrevistados consideram sua gestão ótima ou boa e 35%, regular. Eu, antes das eleições e depois das eleições e depois das eleições não sou de comentar pesquisa. Não sou. Nem boa e nem ruim. Mas hoje (ontem) eu estou prazerosamente feliz, porque depois de apanhar cinco anos eu vejo na própria imprensa que me bate a manchete do sucesso, da credibilidade do governo na opinião pública deste país , disse Lula.

Em Santo André, pouco antes do comício, a manicure Rosário Marcia Ferreira, de 48 anos, dizia que ainda não sabia em quem votar. Vim aqui para prestigiar o presidente Lula. gosto do PT, sempre votei no presidente, mas ainda não sei em quem votar para prefeito. Estou pensando em outra pessoa que não o candidato do PT. Perto dela, a faxineira Sirlei Rodrigues Carneiro, de 43 anos, comentou que gosta mesmo é de votar em quem está na frente nas pesquisas. Eu gosto do Lula, vim aqui só para espiá-lo. Mas eu nunca gostei de perder o meu voto. Vou sempre para o lado do mais forte.

Na platéia dos atos políticos do fim de semana, a grande maioria dos presentes era de filiados ou simpatizantes do PT e cabos eleitorais. A mais longa temporada de campanha eleitoral de Lula em São Paulo aconteceu num dos mais frios fins de semana do ano.

Nos palanques do ABCD paulista, região que é o berço político do presidente, Lula estava visivelmente à vontade. Durante o discurso em São Bernardo, ao lado de sua esposa, Marisa, os dois ficavam conversando com pessoas que avistavam na platéia durante os discursos dos demais políticos que estavam no palco. Eles acenavam para os conhecidos e posavam para fotos. Pouco antes do evento começar, um locutor perguntava: Quem já esteve com Lula? . Dezenas de mãos se levantaram e o povo gritava pelo presidente.

Durante o discurso feito em Santo André o presidente pediu para um segurança trazer da platéia o seu Ovídio , um antigo companheiro de Lula e um dos fundadores do PT naquela cidade. Possivelmente vocês estão imaginando: ? pô, Lula tá tão distante do mundo que a gente vive, porque ele é presidente que ele não tem mais sensibilidade quando encontra com a gente ? . Cada vez que eu venho a Santo André, a São Bernardo, a Diadema e a Mauá é como se eu estivesse fazendo uma volta ao meu passado, há 30 anos , disse. Estou onde estou não por mérito , mas pela somatória da dedicação, da crença e do trabalho de vocês. No meio do evento, tocou o jingle Lula lá e o presidente cantou baixinho a música, junto com Marisa.

Distante do palco onde o presidente Lula subiu para apoiar Luiz Marinho, o vigilante Paulo Roberto Guedes, de 32 anos, disse que votaria no Marinho porque ele está vinculado a Lula. Para quem gosta do PT, o apoio do presidente ajuda sim. É a grande força que Marinho tem aqui. Ele é um do melhores presidentes que já tivemos. Aumentou o salário. É um presidente muito bom . O comerciante Denilson Alves Ferraz, de 49 anos, assistia ao mesmo comício também atraído pela presença do presidente. Lula consertou o país. Ele é um cara bom, que melhorou a vida dos brasileiros. Quem vota no Lula vota no Luiz Marinho , disse.

Em Santo André e São Bernardo, os candidatos do PT têm outros cabos eleitorais. Sempre votei no PT por conta do Celso Daniel e vou continuar votando no partido porque ele foi uma grande figura para a cidade , contou dona de casa Inês Scaquetti, de 42 anos, referindo-se ao ex-prefeito assassinado em 2002. O Lula tá mostrando um bom governo e ajudará Marinho, mas a grande diferença na campanha dele será o apoio de Mauricio Soares , opinou o metalúrgico Jurandir Antonio de Oliveira, lembrando do ex-prefeito da cidade que recentemente voltou ao PT.

Mas a presença de Lula nem sempre surte efeito, mesmo nas regiões onde o PT tem maioria. Nas ruas próximas ao local onde foi realizado o comício de Marta Suplicy no sábado, na periferia da zona leste de São Paulo, onde não se ouvia propaganda feita por cabos eleitorais ouviam-se queixas sobre a política e críticas aos candidatos. O empresário Alexandre Luiz, de 22 anos, disse que não votará em ninguém nesta eleição. Nenhum candidato presta. Estamos sem saída, porque todos são mentirosos. Eles querem se eleger pra ficarem mais ricos e por isso sempre anulei meu voto. Nunca achei um honesto. Todos têm sempre uma manchinha . Com desânimo semelhante, o ajudante Fabrício Gomes de Luna, de 29 anos, disse que desde que tirou o título de eleitor nunca votou em ninguém . Só voto nulo. Não vou me iludir, eles são iguais .

O desinteresse pelas eleições também foi lembrado pela dona de casa Raquel Boaventura, de 45 anos, que assistiu ontem ao comício de Lula em Santo André, atraída pela movimentação no bairro. Nunca acompanhei nenhuma discussão sobre política. Voto em branco para depois não me arrepender de ter votado em alguém.

Para os que não votam em Lula, o apoio do presidente afastará o voto mesmo daqueles que simpatizam com o candidato. É o caso do confeiteiro Petrônio Bezerra de Queirós, 58 anos, que pensou em votar em Marinho, em São Bernardo. Nunca votei no Lula e não gosto ele. Não tenho nada contra o Marinho, mas ele é o candidato do Lula e por isso vou escolher outro.

(Cristiane Agostine | Valor Econômico)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG