Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Preços de alimentos repetem efeito desacelerador no IPC-S, diz FGV

Rio - Mais uma vez, os preços dos alimentos foram os principais responsáveis pelo avanço menos intenso das taxas do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) na maioria das capitais, principalmente em São Paulo (de 0,51% para 0,36%), entre as sete pesquisadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) para cálculo do índice. A informação é do economista da FGV, André Braz.

Agência Estado |

 

De acordo com ele, os preços dos alimentos na capital paulista chegaram a atingir deflação de 0,02% no IPC-S de até 15 de agosto, após ter registrado alta de 0,50% no índice de até 7 de agosto.

Segundo o economista, em São Paulo, entre os destaques de quedas e desacelerações de preços no setor de alimentos estão as movimentações de preços em carnes bovinas (de 0,83% para -0,77%); hortaliças e legumes (de -3,05% para -4,55%) e arroz e feijão (de 0,54% para -0,36%). Mas Braz comentou que, no caso de São Paulo, não é possível classificar como "generalizada" as taxas de inflação menos intensas no setor de alimentos. "Foram registradas várias quedas e desacelerações sim, em itens importantes. Mas ainda há alimentos subindo de preço", disse. Segundo ele, na capital paulista, entre os exemplos de alimentos com preços em alta, estão as variações de preços em frutas (de 1,52% para 2,89%); e adoçantes (de -0,57% para 0,03%).

No Rio de Janeiro, segunda capital de maior peso no cálculo do IPC-S, perdendo apenas para São Paulo, também houve elevação de preços menos intensa (de 0,20% para 0,15%). "O Rio de Janeiro registrou a menor taxa de inflação entre as sete cidades pesquisadas", disse. Ele explicou que a deflação nos preços dos alimentos na capital fluminense se intensificou (de -0,24% para -0,64%) principalmente porque houve uma grande queda de nos preços dos itens in natura, como hortaliças e legumes (de -4,5% para -8,22%).

Em agosto, os preços dos alimentos devem continuar caindo ou subindo menos, contribuindo para taxas reduzidas do IPC-S nas capitais. "Mas não há como saber o que vai acontecer em setembro", disse, explicando que ainda é muito cedo para antecipar o comportamento nos preços dos alimentos no próximo mês.

Leia mais sobre inflação

Leia tudo sobre: inflação

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG