SÃO PAULO (Reuters) - O aumento da demanda mundial de celulose, aliado a um nível de estoques muito baixo e eventos recentes, como o terremoto no Chile e greve nos portos da Finlândia, devem incentivar a continuidade da retomada dos preços da matéria-prima do papel até o final do ano, afirmaram nesta quarta-feira executivos do setor.

A expectativa foi divulgada pelo presidente do conselho de administração da Fibria, José Luciano Penido, e pelo presidente da Suzano Papel e Celulose, Antonio Maciel Neto.

SÃO PAULO (Reuters) - O aumento da demanda mundial de celulose, aliado a um nível de estoques muito baixo e eventos recentes, como o terremoto no Chile e greve nos portos da Finlândia, devem incentivar a continuidade da retomada dos preços da matéria-prima do papel até o final do ano, afirmaram nesta quarta-feira executivos do setor.

A expectativa foi divulgada pelo presidente do conselho de administração da Fibria, José Luciano Penido, e pelo presidente da Suzano Papel e Celulose, Antonio Maciel Neto.

"Sazonalmente, o primeiro trimestre do ano é frio, sobe no segundo trimestre, arrefece no terceiro e fica mais intenso no quarto trimestre. Por isso, surpreendeu o vigor do primeiro trimestre", disse Penido a jornalistas, durante fórum do setor.

Nos quatro primeiros meses de 2010, os preços da celulose foram aumentados em quatro ocasiões. Para a Europa, por exemplo, o preço atual é de 840 dólares a tonelada, patamar registrado antes do início da crise financeira internacional.

Maciel destacou que os estoques de celulose no mundo estão muito baixos. "Durante a crise, os estoques mundiais chegaram a 60 dias e agora estão indo para abaixo de 28 dias."

(Por Carolina Marcondes)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.