SÃO PAULO - Após quatro dias consecutivos de alta dos preços do petróleo, o barril mais negociado do produto fechou em baixa em Nova York . O contrato mais líquido chegou a superar US$ 50 por barril durante o dia, mas inverteu o rumo após a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed), que ocorreu em dezembro.

O documento aumentou o pessimismo em relação ao ritmo da economia americana e aumentou a avaliação de forte diminuição da demanda por energia e combustíveis. Mas os demais contratos negociados em Londres mantiveram o rumo de valorização e continuaram refletindo outras preocupações com a oferta do produto.

No encerramento dos negócios, o barril de WTI negociado para o mês que vem em Nova York fechou a US$ 48,58, com baixa de US$ 0,23, após ter superado os US$ 50 pela manhã. O vencimento para março subiu US$ 0,44, para US$ 53,13. Em Londres, o contrato para fevereiro fechou a US$ 50,53, com alta de US$ 0,91. O barril para mês seguinte avançou US$ 0,87, para US$ 53,27.

A avaliação dos agentes é de que mais importante do que fatos pontuais de pressão é o comportamento esperado para a demanda pelo produto no maior país consumidor no mundo. E os riscos para um consumo menor continuam sendo significativos, o que justificaria a interrupção do ciclo de alta. O patamar de US$ 50 por barril também é considerado uma barreira psicológica no segmento.

De qualquer modo, continuam em pauta as análises do mercado sobre a tensão no Oriente Médio por conta da ação militar israelense contra o Hamas na Faixa de Gaza e o quanto isso pode desregular a produção e o fornecimento por parte dos países produtores do Oriente Médio.

O mercado monitora também a contenda entre Rússia e Ucrânia no fornecimento de gás, que pode levar países europeus a demandar outros combustíveis derivados de óleo cru. O andamento do corte de produção por parte de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), como Kuwait e Qatar, também pesa sobre os negócios nesta semana.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.