Viena, 27 out (EFE).- O preço do petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) caiu 4,4% e, na última sexta, ficou abaixo dos US$ 60 pela primeira vez desde março de 2007, após a entidade anunciar um considerável corte em sua oferta petrolífera.

Segundo o secretariado da Opep em Viena, o barril (de 159 litros) usado como referência pelo grupo e calculado com base em uma mistura de 13 tipos de petróleo - um para cada país-membro - fechou a semana em US$ 57,57, diminuindo US$ 2,70 em relação ao dia anterior.

O barateio, paralelo ao do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) e do Brent, de referência na Europa, nos mercados de Nova York e de Londres, respectivamente, aconteceu apesar de, em uma rápida e urgente reunião, a Opep ter solucionado na manhã de sexta reduzir seu fornecimento em 1,5 milhão de barris diários (mbd).

O objetivo da medida, que reduz de 28,8 para 27,3 mbd a parcela conjunta de produção de 11 países-membros (todos menos Iraque e Indonésia), é frear a queda dos preços, mas os analistas e vários ministros não descartam que nos próximos meses tenham de limitar ainda mais sua oferta para alcançar a meta esperada.

"A organização não fez (esforço) suficiente para repor os preços aos níveis de US$ 80 a US$ 100 por barril", destacou hoje a assessora especializada JBC Energy em seu boletim diário.

Além disso, neste momento o valor do petróleo está determinado pela crise financeira e pelo temor de uma recessão, e costuma cair quando caem as bolsas.

"Já que os preços do petróleo sofrem a pressão em baixa causada pela restrição de crédito e pela falta de liquidez, podem permanecer desligados do fator do fornecimento nas próximas semanas", advertem os analistas da assessora. EFE wr/fh/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.