Valor do combustível para abastecimento de carro já é vantajoso em seis Estados brasileiros

O preço do etanol nos postos brasileiros despencou nas últimas semanas e começa a atrair de volta o consumidor. Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do combustível estava sendo vendido, na média nacional, a R$ 1,762 na última semana, valor 10,14% menor do que há um mês.

Na média nacional, o preço do etanol já está abaixo do limite de 70% do preço da gasolina estipulado por especialistas.

Segundo a pesquisa da ANP, o litro do etanol caiu 4,13% apenas na semana passada. Em São Paulo, a queda foi ainda maior, de 6,41%, para R$ 1,516 por litro. Agora, diz a ANP, o biocombustível já é vantajoso com relação à gasolina em seis Estados: Tocantins, Bahia, São Paulo, Paraná e Mato Grosso. O mercado espera que o número se amplie nas próximas semanas, diante dos baixos preços e do início da colheita de cana-de-açúcar.

"Nas últimas duas semanas, as empresas começaram a perceber aumento na demanda", diz o vice-presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), Alísio Vaz.

A expectativa é de reversão da queda do consumo provocada pelos altos preços do início do ano - que levaram o governo a tomar atitudes como reduzir o porcentual de etanol na gasolina para 20%.

"Em alguns postos do Estado, inclusive na capital, já é vantajoso trocar a gasolina pelo etanol, mas os donos de carros ainda estão cautelosos", pondera o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), José Alberto Paiva Gouveia. Ele lembra que o governo deve rever a redução de R$ 0,08 na carga tributária da gasolina, outra medida com o objetivo de frear o consumo de etanol.

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) divulga amanhã sua projeção para a safra 2010/2011, que deve permitir uma melhor análise sobre o comportamento dos preços ao longo do ano. Já a ANP reúne na semana que vem sua "sala do etanol", com representantes do setor, para avaliar as condições de oferta e demanda no ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.