Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Preço baixo atrai investidores e bolsas de NY avançam no fim do pregão

SÃO PAULO - Os principais indicadores acionários americanos, que vinham em alta desde a abertura, dispararam no fim do pregão. Os preços atrativos das ações e notícias não negativas colaboraram para esse resultado.

Valor Online |

O índice Dow Jones fechou com avanço de 10,88%, para 9.065,12 pontos. O Standard & Poor`s 500 subiu 10,79%, a 940,51 pontos e o Nasdaq Composite teve alta de 9,53%, para 1.649,47 pontos.

As fortes quedas dos últimos pregões deixou as ações com preços convidativos. Isso atraiu os chamados "caçadores de barganhas", investidores que entram no mercado comprando papéis baratos, comparativamente ao desempenho operacional da empresa. Conforme o dia foi avançando e as notícias que surgiam não foram negativas, esses agentes se encorajaram e puxaram a forte alta dos índices no fim da sessão.

Esse movimento compensou o dado negativo da manhã - a piora na confiança do consumidor dos EUA. O índice que mede a disposição de consumo do americano caiu para um piso de 38 pontos em outubro, influenciado pela crise financeira.

No decorrer do dia, as notícias foram mais animadoras. A varejista Wal-Mart anunciou planos de investir pelo menos US$ 13 bilhões em 2009 e fortalecer a presença em mercados emergentes. Suas ações saltaram 11,1%.

Os papéis da Boeing subiram 15,5% depois de a fabricante de aviões ter mantido o pagamento de dividendos e anunciado um acordo com sindicalistas que pode suspender a greve na linha de produção.

A General Motors (GM) também avançou 15%, com notícias de que as montadoras também poderiam usufruir do pacote de auxílio do governo para contornar a crise. Segundo o Wall Street Journal, o governo americano estaria tentando aprovar um empréstimo de US$ 5 bilhões para a GM - o que poderia facilitar as conversas em torno de uma eventual fusão com a Chrysler.

Outro fator a animar os negócios foi a crescente expectativa de que o Federal Reserve (Fed, banco central americano), vai reduzir novamente os juros em sua reunião de amanhã. A ação beneficiaria as aplicações em bolsa e estimularia a atividade econômica.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG