Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Prazo da união Oi-BrT pode ser prorrogado, cogita presidente da Previ

RIO - O presidente da Previ, Sergio Rosa, não descartou a possibilidade de prorrogação do prazo para a concretização da compra da Brasil Telecom (BrT) pela Oi. A data-limite para o fechamento do negócio é 21 de dezembro, um domingo, o que joga este prazo para 19 de dezembro.

Valor Online |

" Ninguém colocou a cláusula de multa pensando em receber aquele dinheiro. Continuamos focados no negócio e não em receber a multa " , disse Rosa, em referência à multa de R$ 490 milhões que terá de ser paga pela Oi caso o negócio não seja fechado no prazo. " Caso o negócio continue a fazer sentido para todo mundo, como eu acho que continua fazendo, há a possibilidade de prorrogar essa data de validade dos contratos. É uma possibilidade sempre, desde que as duas partes queiram " , acrescentou.

A concretização depende do posicionamento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que deve alterar a regulamentação do setor para permitir a união entre as empresas. Rosa se mostrou otimista em relação aos prazos da Anatel para a decisão sobre o novo marco regulatório das telecomunicações no país.

" Ninguém que regula um mercado de comunicações como esse trabalha sem ter noção das urgências que o próprio mercado coloca. Mas acho que a Anatel vai cumprir suas responsabilidades e faremos o negócio dentro do prazo adequado para as empresas " , ponderou o executivo, que participou do 29º Congresso da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

O presidente do fundo de pensão considerou ainda " totalmente equivocada " a visão de que seria possível renegociar o contrato de compra da BrT com base na queda das ações da companhia na bolsa de valores desde o agravamento da crise financeira internacional.

" O preço das ações na bolsa hoje é como se as empresas estivessem quebradas e reflete a necessidade de liquidez abrupta de muitos investidores, o pânico e o pessimismo de outros e a cautela da maioria. Mas de maneira alguma reflete o fluxo de caixa das empresas " , afirmou Rosa.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG