Os saques das cadernetas de poupança superaram os depósitos em R$ 486 milhões em janeiro, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC). É o primeiro resultado negativo em janeiro desde 2006.

As retiradas somaram R$ 77,526 bilhões e os as novas aplicações, R$ 77,040 bilhões.

No mês, o comportamento do poupador muda com o passar das semanas. No início, os depósitos costumam superar os saques por vários dias seguidos. Em 2 de janeiro, a vantagem dos depósitos somou R$ 1,4 bilhão, a maior de todo o mês.

O período coincide com o recebimento dos salários. Mas, com o passar dos dias, a conta corrente começa a ficar perto do zero e os saques na poupança aumentam. O pior resultado de janeiro foi o dia 12, terceira segunda-feira do mês, quando os saques superaram as aplicações em R$ 1,2 bilhão.

Esse comportamento se verifica até o fim do mês. Nas últimas três semanas de janeiro, depósitos superaram os saques apenas em quatro dias. O BC também informou que os depósitos antigos tiveram rendimento de R$ 1,647 bilhão no mês passado. Assim, o conjunto de todas as cadernetas acumulava R$ 271,602 bilhões no último dia útil do mês. Segundo o BC, as cadernetas existentes renderam entre 0,68% e 0,71% em janeiro.

Enquanto a poupança perdeu recursos, os fundos de investimento ganharam. Dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) mostram que os fundos tiveram captação líquida positiva de R$ 200 milhões em janeiro.

Com o resultado, foi revertida a fuga de R$ 17,6 bilhões em dezembro.

Os segmentos que apresentaram os melhores resultados foram as carteiras de curto prazo (captação positiva de R$ 5,9 bilhões) e ações (R$ 2,9 bilhões). Os saques superaram as aplicações em R$ 9 bilhões nos fundos multimercados, o segmento com o pior desempenho.

Outro investimento que terminou janeiro com desempenho favorável foram os Certificados de Depósito Bancário (CDB). Dados da Câmara de Custódia e Liquidação (Cetip) mostram que o estoque de CDB saltou R$ 23,6 bilhões entre dezembro e janeiro, para R$ 705,1 bilhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.