Lisboa, 21 jun (EFE).- A Presidência da assembleia de acionistas da Portugal Telecom (PT) decidiu hoje que não irá votar a proposta da espanhola Telefónica de distribuir dividendos extraordinários no caso de o grupo luso aceitar a oferta pela companhia brasileira Vivo.

Lisboa, 21 jun (EFE).- A Presidência da assembleia de acionistas da Portugal Telecom (PT) decidiu hoje que não irá votar a proposta da espanhola Telefónica de distribuir dividendos extraordinários no caso de o grupo luso aceitar a oferta pela companhia brasileira Vivo. Em comunicado, a PT informou a decisão. Os argumentos legais para não incluir a proposta na ordem do dia da assembleia do dia 30 são explicados em um longo documento. O único ponto da reunião será o debate da proposta da Telefónica para adquirir 30% das ações da Vivo em poder da companhia lusa por 6,5 bilhões de euros, oferecidos há três semanas pela empresa espanhola após aumentar sua oferta inicial de 5,7 bilhões de euros. O presidente da mesa da reunião, Antonio Menezes, lembra na resolução que este organismo é independente dos acionistas e do conselho de administração e é o único competente para decidir sobre o pedido, que rejeita por considerá-lo contrário aos estatutos e à normativa portuguesa e comunitária. O presidente da Portugal Telecom, Zeinal Bava, se mostrou enquanto isso contrário à venda da participação na Vivo, por considerar que a oferta da companhia espanhola é baixa. Também o Governo luso, que tem na companhia ações com direitos especiais, expressou seu interesse em ser mantido o investimento no Brasil. Vários dos principais acionistas lusos da PT se manifestaram contra a venda, como o Banco Espírito Santo (BES), que tem 7,99%, e o grupo Ongoing, que tem 6,74%. EFE ecs/ab

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.