Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Plano de safra não é atitude isolada do governo, diz Stephanes

Curitiba, 2 - O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje que o anúncio do Plano Agrícola e Pecuário 2008/09 não é uma atitude isolada do governo para apoiar a agricultura. Ao fazer o primeiro discurso na cerimônia de lançamento do plano, em Curitiba (PR), o ministro ressaltou que o governo já anunciou este ano a reestruturação da dívida do setor agrícola, tarefa que, segundo o ministro, parecia impossível.

Agência Estado |

Ele observou que a renegociação da dívidas rurais, prevista na Medida Provisória 432, "retirou uma carga dos ombros do produtor". Ainda dentro do grupo de medidas de apoio ao setor, Stephanes informou que o governo espera aprovar ainda este ano um projeto enviado ao Congresso Nacional que prevê a criação do Fundo de Catástrofe do seguro rural.

Segundo o ministro, outra medida positiva, reivindicada pelo agronegócio, foi a liberação de recursos para a defesa sanitária e o investimento de cerca de R$ 1 bilhão em pesquisa agropecuária. Esses investimentos, segundo Stephanes, vão permitir à agricultura brasileira um novo "salto tecnológico".

Unanimidade

Stephanes comentou, ainda, que pela primeira vez o plano agrícola é anunciado com posicionamento unânime do governo. "Pela primeira vez o plano não é uma posição do Ministério da Agricultura. É uma posição do governo. É que o governo acha que a agricultura é importante", afirmou o ministro, salientando que o pacote beneficia cerca de 4 mil municípios brasileiros onde existe atividade agrícola.

O ministro sugeriu, no entanto, que é preciso investir para por um fim às deficiências de logística e infra-estrutura que, segundo ele, no caso do Centro-Oeste, é um problema muito sério. "Essa é uma grande preocupação do governo". O ministro disse, ainda, que a agricultura responde quando recebe estímulos do governo. Comentou que a safra de trigo do Paraná deverá crescer cerca de 26% este ano, como resultado das medidas de apoio à produção, anunciadas no primeiro semestre. Segundo ele, elevar a produção de trigo é fundamental para reduzir a dependência do cereal argentino.

O ministro da Agricultura também afirmou que a idéia do governo é anunciar planos de longo prazo para agricultura, com regras permanentes para o setor, que vigorem por um período de 5 anos. Ao fazer essa colocação, o ministro foi muito aplaudido pelas cerca de 1,3 mil pessoas que acompanham o anúncio das medidas, no Expo Unimed, em Curitiba.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG