Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Plano de expansão é o maior já feito por supermercados

O investimento de R$ 1,8 bilhão anunciado ontem pelo Wal-Mart para 2009 é a maior cifra da história aplicada por uma única companhia do setor de supermercados na abertura de lojas em um só ano. A constatação é do presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Sussumu Honda.

Agência Estado |

"Trata-se de um investimento recorde para o setor."

Ele pondera que, neste caso, estão excluídos os aportes realizados nos últimos anos para aquisições de outras companhias, como, por exemplo, o Carrefour que desembolsou R$ 2,2 bilhões no ano passado pela compra do Atacadão.

Na análise do sócio-diretor da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, Eugênio Foganholo, o grande investimento do Wal-Mart para 2009 deverá acirrar a disputa entre os gigantes do setor, o Carrefour e o Grupo Pão de Açúcar. O Carrefour informa que vai aplicar R$ 1 bilhão na sua expansão em 2009, cifra equivalente à gasta nos últimos três anos. De acordo com a companhia, o grupo se programa para fazer investimentos adicionais em oportunidades de negócios que estejam em sintonia com o plano estratégico da empresa.

O Grupo Pão de Açúcar ainda não revelou quanto pretende gastar no ano que vem. Nos últimos quatro anos foram aplicados R$ 3,2 bilhões. Neste ano, estão sendo investidos R$ 733 milhões, dos quais R$ 233 milhões no primeiro semestre.

Antes mesmo de o Wal-Mart anunciar investimentos recordes para 2009, o diretor-presidente do Grupo Pão de Açúcar, Claudio Galeazzi, já tinha indicado que pretendia ser mais agressivo no ano que vem. Segundo ele, cerca de um terço do investimento previsto para este ano destina-se à compra de terrenos que vão garantir a novas lojas em 2009.

Bola da vez

Tanto para o presidente do Carrefour, Jean-Marc Pueyo, como para o presidente do Wal-Mart, Héctor Núñez, o Brasil é um mercado prioritário. "O Brasil é a bola da vez no mercado varejista", diz Honda.

Para ele, o País tem o mercado interno que desperta o interesse de varejistas de todas as partes do mundo, com uma classe D e E em ascensão. Na sua avaliação, a agressividade do Wal-Mart nos investimentos é um movimento de ocupação de mercado e reflete um sentimento de que novas redes internacionais estariam interessadas no Brasil.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG