Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Plano de austeridade grego pode chegar a € 24 bi

A Grécia prepara um pacote com severas medidas de austeridade fiscal para garantir um resgate bilionário, aliviando os mercados, mas levantando ameaças de forte relutância dos sindicatos gregos. Uma autoridade sindical disse que o Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu à Grécia que elevasse o imposto sobre valor agregado, descartasse os bônus salariais equivalentes a dois meses extras de pagamento no setor público e aceitasse um congelamento salarial de três anos.

AE |

A Grécia prepara um pacote com severas medidas de austeridade fiscal para garantir um resgate bilionário, aliviando os mercados, mas levantando ameaças de forte relutância dos sindicatos gregos. Uma autoridade sindical disse que o Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu à Grécia que elevasse o imposto sobre valor agregado, descartasse os bônus salariais equivalentes a dois meses extras de pagamento no setor público e aceitasse um congelamento salarial de três anos. Segundo o jornal Financial Times, o pacote de cortes chegaria a 24 bilhões. "É um acordo fechado", disse Ilias Iliopoulos, secretário-geral do sindicato do setor público Adedy, depois de ter se reunido com o primeiro-ministro grego, Georges Papandreou. Fontes familiares com as negociações disseram que as autoridades devem anunciar detalhes do acordo até segunda-feira. Isso foi suficiente para levar alívio aos mercados, que temem que a crise grega contagie outros países da zona do euro. "As conversas estão difíceis", disse o porta-voz Georges Petalotis a jornalistas sobre as reuniões com o FMI, o Banco Central Europeu (BCE) e a União Europeia. "Ninguém pode garantir nada, sabemos o quão difícil é a situação do país." Insatisfação popular. Os sindicatos deixaram claro que vão se opor a novas medidas de austeridade e convocaram uma série de greves - o que pode dificultar os esforços do governo. "É um desastre! O governo passou dos limites. Nós não podemos viver desse jeito", disse Despina Spanou, membro do conselho do Adedy. "Nós vamos lutar contra essas medidas com toda nossa força, porque essa é uma batalha por sobrevivência." Pesquisas de opinião mostram que a maioria dos gregos se opõe ao envolvimento da UE e do FMI e que dois terços acreditam que haverá agitação social. A chanceler alemã, Angela Merkel, cujo país teria um papel importante num acordo, deixou claro que a Alemanha vai exigir o rígido cumprimento dos termos em um acordo. "A Alemanha ajudará assim que - e eu enfatizaria o assim que - as condições forem cumpridas." A Grécia negocia um pacote de resgate de até 135 bilhões. Os sinais de mobilização da UE visaram acalmar os mercados financeiros, inquietos com o rebaixamento dos títulos da dívida da Grécia, de Portugal e da Espanha pela agência Standard & Poors. "Estou confiante que as discussões serão concluídas nos próximos dias", afirmou o comissário Europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, Olli Rehn. "Esse apoio financeiro dará à Grécia oxigênio para fazer face à pressão dos mercados financeiros, devolver a saúde às finanças públicas e recolocar a economia nos trilhos do crescimento sustentável."

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG