Tamanho do texto

Berlim, 15 abr (EFE).- Antes de 2013, o PIB alemão não conseguirá recuperar o nível alcançado em 2008, quando a explosão da crise financeira levou a recessão mundial, afirmaram em um relatório conjunto os principais institutos de estudos econômicos da Alemanha.

Berlim, 15 abr (EFE).- Antes de 2013, o PIB alemão não conseguirá recuperar o nível alcançado em 2008, quando a explosão da crise financeira levou a recessão mundial, afirmaram em um relatório conjunto os principais institutos de estudos econômicos da Alemanha. "A recuperação econômica da Alemanha pode acelerar ligeiramente depois de 2011", diz o relatório. Neste ano, os analistas esperam crescimento de 1,5% do PIB alemão, uma revisão para cima da previsão anterior, quando estimavam que neste ano o crescimento econômico na Alemanha seria de 1,2%. Além disso, são ligeiramente mais otimistas que as previsões do Governo, que esperam um crescimento de 1,4%. Em 2011, segundo os institutos, será mantida a tendência de recuperação e outra vez haverá crescimento de 1,4%. Para o médio prazo, os analistas consideram que a perspectiva da economia alemã piorou com a crise, o que torna mais lenta a recuperação do nível de 2008. Com relação ao mercado de trabalho, os institutos consideram que este se mostrou "surpreendentemente robusto" desde que explodiu a crise e atribuem isso às medidas como jornada reduzida, que ajudou a evitar demissões, assim como à moderação salarial dos últimos anos. Nas previsões, os analistas acreditam que o índice de desemprego se manterá em 7,8% neste ano e descerá ao 7,6% em 2011. A inflação seguirá sendo moderada e ficará neste ano em 0,9% e o próximo do 1%. O déficit alemão alcançará neste ano 4,9% do PIB e o próximo um 4,2%. O relatório está elaborado pelos institutos de Munique, Kiel, Halle, e Essen em cooperação com outros centros de estudos estrangeiros. EFE rz/dm
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.