Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

PF prende empresário ligado à exportação de café em Varginha-MG

Belo Horizonte, 10 - A Polícia Federal deflagrou hoje em Varginha, no sul de Minas, a operação Bicho Mineiro e prendeu sete pessoas suspeitas dos crimes de estelionato, formação de quadrilha, falsidade ideológica, blindagem patrimonial, além de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. As investigações tiveram inicio em setembro de 2007, no curso da Operação Rotterdam, quando surgiram indícios de que empresários ligados às atividades de comércio e de exportação de café utilizavam laranjas ou empresas localizadas em paraísos fiscais, para ocultar bens.

Agência Estado |

Tal esquema, conforme a PF, teria se iniciado em 1995.

Cerca de 150 Policiais Federais cumpriram sete mandados de prisão, sendo quatro delas preventivas, e 18 mandados de busca e apreensão também nos municípios de Elói Mendes, Boa Esperança, Guapé, além de Angra dos Reis (RJ) e São Paulo (SP).

Entre os suspeitos presos hoje está o empresário Cléber Marques de Paiva, proprietário da Exportadora Princesa do Sul (Exprinsul), especializada em exportação de café. A holding controladora da empresa, denominada União de Empresas de Comércio Mundial (Unecom) é também permissionária do Porto Seco do Sul de Minas e realiza desembaraço aduaneiro na região.

O advogado do empresário, Luiz Fernando Valadão, que representa outros quatro suspeitos informou que iria viajar ainda hoje para Brasília para entrar com um pedido de habeas corpus em favor de seus clientes no Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Entre os presos está também um dos advogados do empresário, Adriano Ferreira Sodré.

Valadão argumentou que o mandado de prisão foi expedido por uma juíza federal de Belo Horizonte, enquanto o empresário vinha sendo processado em Varginha, em decorrência de uma operação anterior da PF. "Nada justificaria esta prisão e a juíza federal não era a autoridade competente para expedir um mandado nesse caso. O processo vinha correndo e nenhum dos meus clientes se recusou a prestar os esclarecimentos para a apuração dos fatos", contestou.

Para ele, a prisão foi fruto de "deduções subjetivas" e o fato de ele ainda não ter tido acesso ao inquérito demonstraria mais uma arbitrariedade. "As coisas tinham que acontecer na mesma velocidade. Esta é uma sub-operação da operação", disse ele. Cléber Marques de Paiva também preside o Centro de Comércio de Café de Minas Gerais (CCCMG), em Varginha. Os presos devem ser encaminhados ainda hoje à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (MG).

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG